Policenauts: Altas Confusões com Dois Tiras do Barulho no Espaço


Estou aqui para escrever sobre esse jogo que realmente AMO, e sem dúvida é um dos jogos mais subestimados já feitos, principalmente por sua má distribuição (algo que irei explicar mais pra frente). Sim, vou falar sobre... POLICENAUTS! A obra de Hideo Kojima exclusiva dos japoneses (sabe de nada, inocente).

 Então... LÁ VAMOS NÓS!

Logo dos Policenauts
Desde já deixarei algo claro: O JOGO É (oficialmente) EXCLUSIVO DO JAPÃO! Mas como sabemos, Hideo Kojima tem uma legião de fãs (comigo incluso) e alguns deles conseguiram traduzir o jogo para o inglês, mesmo isso demorando vários anos (algo que agradeço pelo resto da vida), mais de uma década após o lançamento original.

Policenauts é um jogo Point-and-Click lançado inicialmente em 29 de julho de 1994 para o computador japonês NEC PC-9821 e portado em 1995 para 3DO, em 1996 para Sega Saturn e Playstation e em 2008 para PSP e Playstation 3 via PSN. O jogo realmente foi planejado para o ocidente em uma versão para Sega Saturn, mas por uma série de fatores a versão foi cancelada. Desenvolvido e distribuído pela Konami, também foi escrito e dirigido pelo grande Hideo Kojima, que até então havia desenvolvido Metal Gear, Snatcher (sim, um dia eu ou o Vann faremos sobre ele) e Metal Gear 2: Solid Snake, logo ainda não possuía nem metade da fama atual.



O nome “Policenauts” vem da clara mistura das palavras “Police” e “Astronauts”, logo obviamente são Policiais Astronautas. A história se inicia no “futuro” de 2010, quando a primeira colônia espacial é criada, chamada de Beyond Coast, visando o êxodo do povo terrestre para esse novo local. Três anos depois, em 2013, 5 policiais são convocados para tomar conta da segurança desta colônia ainda em fase inicial, estes que seriam os Policenauts, ou os “Original Cops”. Os 5 policiais eram: Gates Becker de Scotland Yard, Joseph Sadaoki Tokugawa de Tóquio, Salvatore Toscanini de Nova Iorque e, de Los Angeles, Ed Brown e Jonathan Ingram. No mesmo ano, e na cena inicial do game, vemos Jonathan na armadura de Policenauts, algo semelhante à um jetpack. Bem, Ingram estava em um experimento, mas de algum modo sua armadura desliga e seus colegas o veem se perder no meio do espaço. Eis que acabam o encontrando... em 2038!

Agora, 25 anos depois, Jonathan tem que tentar reconstruir sua vida, agora em uma realidade totalmente diferente da que vivia há quase 3 décadas, e que ele mesmo ajudou a mudar. O jogo inicia para valer em 2040, na Velha Los Angeles, na Terra (que se tornou a “Casa” ou “Home”), agora ultrapassada e habitando aqueles que não teriam condições para se mudar para Beyond (uma referência clara a Blade Runner, filme que serviu de base para Snatcher). Jonathan agora trabalha como detetive particular em um escritório quase caindo aos pedaços, resolvendo pequenos casos, e descontando sua raiva e tristeza pelos 25 anos perdidos (algo que obviamente levou ao fim do seu casamento) nos cigarros, tendo que carregar o fardo de ter o físico de uns 30 anos, mas com 55. Eis que em uma noite aparece ninguém menos que Lorraine, ex-esposa de Ingram, que saiu de Beyond em busca de ajuda para encontrar seu atual marido Kenzo, o qual desapareceu deixando como pistas uma folha rasgada, capsulas e a palavra “Plato”. Ingram rejeita o caso, mas logo em seguida se vê obrigado a descobrir o que estava acontecendo e resolve viajar para Beyond.

Ao chegar a Beyond Jonathan vai direto ao departamento de polícia, aonde encontra seu velho amigo Ed que agora é o chega da Unidade Vice da polícia local, junto a seus parceiros Meryl Silverburgh (sim, a própria) e Dave Forrest (Dave, entendeu?), buscando ajuda no caso de Lorraine, e até mesmo descobrir mais sobre o que aconteceu em seus 25 anos fora. Ingram também reencontra Gates, agora autoridade máxima da polícia de Beyond, e que cuida dos BCPs, a tropa de elite de Beyond. Já Tokugawa, outro dos ex-Policenauts, é agora o homem mais poderoso de Beyond, controlando a empresa de sua família, a Tokugawa Heavy Industries (quem presta atenção a detalhes reconhece esse nome das armaduras de Cyborg Ninja e Raiden de Metal Gear), tendo Toscanini, último dos ex-Policenauts, como seu chefe de segurança. Com isso, Ingram inicia sua caçada pelos sequestradores do marido de Lorraine, investigando as pistas e indo atrás da filha do casal, Karen, apresentadora do jornal televisivo de Beyond, a qual Jonathan se sente inicialmente atraído.

O grupinho da escola do Ed

O jogo é dividido em 2 discos, o primeiro e mais longo contendo o prólogo e os atos 1 e 2, e o segundo contendo os atos 3 ao 7. Como já foi dito ele é um point-and-click, logo se baseia em apontar o indicador para elementos e personagens para conversar, observar, investigar ou apertar ( ͡° ͜ʖ ͡°) o objeto ou indivíduo em questão. A única dificuldade do jogo (a não ser que você tenha dificuldade em investigação, ai você tá ferrado) são os momentos de tiro, o qual se assemelham a shooters de fliperama como Virtua Cop, aonde a tela fica parada e você deve mirar e atirar nos inimigos que ficam aparecendo e se escondendo. Para lhe ajudar, no departamento de polícia há um centro de treinamento para você se acostumar com a mira, sendo um mini-game com pontuação, algo que inclusive abre um desafio no qual você deve superar a pontuação de Meryl (algo por volta de 550) e com isso pode tocar em seus seios (Kojima sendo Kojima). Em outras palavras, não há segredo para zerar o jogo, a não ser alguns puzzles BEM complicados como desarmar uma bomba (com tempo limite) e resolver um código usando insígnias orientais (algo que você vai ter que correr atrás na net, ou ser muito sortudo para acertar a senha, já que ela sempre muda).

A trama de um simples sequestro vai ganhando cada vez mais informação, levando a manipulação populacional, tráfico de órgãos, assassinatos em série, corrupção e até mesmo investigar o que realmente aconteceu em 2013 naquele acidente, algo que sem dúvida é um dos grandes pontos fortes deste incrível jogo. A história te prende do começo ao fim, com dois atos iniciais bem extensos, e outros 5 rápidos tornando o jogo extremamente frenético, mantendo a atenção do jogador.

Olha a cara dele de quem liga pra sua opinião...

Mais cativante que a história são apenas os personagens, aonde os heróis conseguem o carisma de quem está jogando, e os vilões o ódio dos mesmos. Jonathan apresenta uma personalidade rebelde e... safada, mantendo o modo como vivia quando era novo, mas agora como um solteiro drogado e depressivo. Ed no entanto apresenta o estilo “paizão”, sendo rígido e agora um tanto covarde, por não possuir a juventude física de Ingram, sendo bem menos audacioso que seu amigo, até porque é pai de uma jovem e de um garoto autista. Os dois formam a clássica dupla de Buddy Cops, com Kojima se inspirando claramente em Máquina Mortífera, além de trazerem clichês de filmes dos anos 80. Além dos dois temos Meryl que é basicamente a mesma de Metal Gear Solid, inclusive com a tatuagem da FOXHOUND, já que a mesma trabalhou lá, mas após seu fim se mudou para Beyond para encontrar uma vida intensa como tinha. Dave faz o papel do guri que é atraído por Meryl, fazendo o estilo comilão e atrapalhado, usando um colete inspirado em Marty McFly de De Volta Para o Futuro, mesmo colete que Meryl usa no final de Metal Gear Solid. Além dos 4 heróis principais temos Karen, filha de Lorraine, que serve como um “par romântico” de Jonathan, e que o ajuda em boa parte do game, principalmente nos momentos finais, mesmo sofrendo de uma grave doença. Até os personagens menos importantes conseguem ótimo destaque na trama, como a Doutora Chris Goldwin, diretora do hospital de Beyond, e os irmãos Anna e Marc, filhos de Ed. Outro personagem de extremo destaque é Tony Redwood, o melhor dos BCPs, fazendo o estilo misterioso, levando ao jogador ter dúvidas inicialmente se ele é do bem ou do mal.



A trilha sonora, como em qualquer jogo da Konami até o início dos anos 2000, é um caso à parte. Poucos sabem, mas a Konami possuía um estúdio lendário focado apenas na trilha sonora dos games, chamado Konami Kukeiha Club, cuidando da trilha de Metal Gear, Snatcher, Silent Hill e, de nada mais, nada menos, Castlevania. Assim como essas outras trilhas, a de Policenauts é sensacional, utilizando grande foco no saxofone em toda sua trilha sonora, combinando com o clima noir, mas descontraído de Policenauts. Destaque principal para Old L. A. 2040 (tema de início) e End of The Dark (tema de encerramento), que são extremamente charmosas, além de trazerem uma curiosidade que mostrarei no fim do artigo.

Pouco se sabe sobre o porquê do jogo jamais ter vindo para terras ocidentais. A distribuição dos jogos da Konami sempre foi complicada. Metal Gear saiu inicialmente para MSX2 e ficou conhecido por seu port ridículo para NES, totalmente diferente do original, mas que vendeu. Posteriormente a Konami lançou exclusivamente para o ocidente e para o NES Snake’s Revenge, um Metal Gear 2 sem envolvimento do Kojima. Quando Kojima soube, após já produzir Snatcher para MSX2, teve a ideia de criar um Metal Gear 2, esse que acabou exclusivo do Japão até 2005 quando saiu para PS2 dentro do MGS3 Subsistance, caso também com motivos desconhecidos. Mas eis que em 1994 Snatcher surge no ocidente TOTALMENTE DUBLADO EM INGLÊS para Sega CD, mas a questão era: Sega CD já estava no limbo há uns 2 anos, o Playstation já estava surgindo no Japão e já haviam consoles ultra modernos para a época como 3DO e Jaguar, logo o jogo foi um fracasso, e todo o investimento foi em vão. Esse seria então o maior motivo. Mas o caso é que o jogo foi REALMENTE PLANEJADO para o ocidente, em uma versão exclusiva para o Saturn. Alguns dizem que pode ter sido pelo fracasso do console, ou por ser necessário um gasto alto em dublagem para um jogo 2D, que poucos iriam comprar e, um dos argumentos mais estranhos vindos do Kojima, aonde ele disse que a dublagem estava muito porca e mandaram cancelar a tradução.

Bem, o jogo poderia ter ficado no limbo para sempre se não fosse por um motivo... METAL GEAR SOLID POSSUÍ INÚMERAS REFERÊNCIAS AO GAME! A sala de Otacon era repleta de pôsteres de Policenauts, além de cutscenes do game aparecerem durante diálogos entre Snake e Hal, causando curiosidade no público. Infelizmente Kojima sempre evita comentar sobre o caso, dizendo para os fãs se focarem no futuro esquecendo o passado (mesmo que o zé ruela fique botando easter eggs desses jogos em cada Metal Gear novo ¬¬). É muito difícil algum dia ele ser relançado para o ocidente, algo que só viria mais fácil com um remake ou versão HD,algo difícil, já que no máximo ele mexe com Snatcher, e com isso quero dizer uma rádio novela japonesa chamada Sdatcher e aquela missão do Raiden no Ground Zeroes.

Kojima kojimando...
Algo que poucos sabem é que a versão de NEC PC-9821 possui extremas diferenças da de consoles, já que a mesma era toda com imagens feitas por computador usando 16-bits, igual foi feito com Snatcher (esse que inicialmente era 8-bits, mas ao sair para Sega CD refizeram com 16-bits), mas de uma maneira extremamente mais caprichada, enquanto as de consoles possuíam várias cutscenes feitas em anime, além de conterem trechos com objetos em 3D pré-renderizados, algo impossível no PC-98. Curiosamente muitos elementos eram melhores, já que na versão original o game rodava numa resolução superior à dos consoles, com tudo saindo mais natural e bem desenhado.



Com tudo isso só posso dizer que essa sem dúvida foi uma das melhores experiências que já tive jogando videogames até hoje, e realmente é uma grande pena nunca ter saído oficialmente essa belezinha para o ocidente. Sem dúvida entra fácil no Top 10 de melhores do Playstation, no Top 20 da 5ª geração e no Top 50 de todos os tempos. Se fosse para dar uma nota, um 10 estaria de ótimo tamanho.



Coelho Da Páscoa Fazendo Seu Trabalho


Bem, agora vamos à uma das partes mais interessantes do artigo: easter eggs e referências. Policenauts possui inúmeras referências em relação a outros jogos e filmes, assim como outros jogos também possuem inúmeras referências a Policenauts. Aqui trarei algumas curiosidades envolvendo essas coisas:
Turminha do barulho que atrapalha o Snake já estava presenta na prévia de Policenauts
  • Para qualquer um que saiba matemática mais do que básica, se ligou que Policenauts veio antes que Metal Gear Solid, logo Meryl é uma personagem ORIGINAL de Policenauts, sendo a de Metal Gear um enorme easter egg. Curiosamente Meryl é dublada tanto em Policenauts, tanto em Metal Gear pela mesma mulher, chamada Megumi Terase, essa que também dublou Olga em Metal Gear Solid 2. O melhor é que Kojima usou quase o mesmo plot de Meryl de Policenauts em Metal Gear Solid, como o envolvimento e a tatuagem da FOXHOUND, além dos brincos de bala que ela usa em Metal Gear Solid 4;
  • O nome Dave claramente serviu de inspiração para o nome David de Solid Snake, que só veio a ser revelado em Metal Gear Solid. A relação entre Dave e Meryl deixa bem claro isso. Além disso, o colete de Dave (claramente inspirado em Marty McFly) é usado por Meryl no final de MGS;
  • O jogo explica muita coisa que foi deixada vazia na franquia Metal Gear, principalmente sobre Tokugawa Heavy Industries, empresa que produziu a armadura dos Ciborgues Ninja, contando sobre o porquê de alguns possuírem sangue vermelho (Cyborg Ninja) e outros sangue branco (Raiden), sendo esse resultado do tipo de alteração no sangue ao serem transformados em ciborgues;
  • No game existe uma droga chamada NARC, mesma marca de refrigerante que Drebin 893 e seu macaco tomam, sendo uma bebida viciante, mas em menor grau;
  • Nas paredes é possível ver propagandas de bares chamados Solid Snake e Outer Heaven (base militar de MGS e que... Realmente é um bar em Snatcher), além de um calendário com uma artwork de Snatcher. Também é possível ver a palavra “Queen”, nome do hospital de Snatcher (referência a banda inglesa também?);
  • Na casa de Karen há uma coleção de CDs de seu pai (sério, fiquei meia hora só ouvindo repetidamente as músicas, tem umas 40 lá). Há várias músicas de qualidade lá, mas que nunca foram lançadas em disco. Além delas existe o tema de abertura de Snatcher: One Night in Neo Kobe City;
  • Em Metal Gear Solid 1 e 2 existem vários pôsteres espalhados pelas salas aonde Otacon trabalha. O mesmo ocorre com Zone Of Enders (jogo também de Hideo Kojima) em Metal Gear Solid 4, fortalecendo seu lado otaku e gamer;
  • O óculos de EVA em Metal Gear Solid 3 seria uma homenagem ao mesmo que Dave usa em Policenauts. Inicialmente The Boss também usaria óculos na batalha final do jogo;
    Óculos? Cadê?
  • Na batalha final de Metal Gear Solid 3 as flores seriam papoilas, flores de grande importância na trama de Policenauts;
  • Assim como Zone of Enders, em Metal Gear Solid 2 também há caixas da Tokugawa;
  • Em Metal Gear Solid 4, o grupo de Meryl é quase o mesmo quarteto da unidade Vice de Policenauts: Jonathan (branco), seu melhor amigo Ed (negro), Meryl e um cara atrapalhado que é o Akiba, o cagão de Metal Gear Solid 1 e 2, mas que equivaleria ao Dave, ainda mais por sua relação com Meryl;
    Rat Patrol 01
  • Nos spin-offs Metal Gear Acid 1 e 2 de PSP há cartas de alguns personagens de Policenauts como Ed e Jonathan;
  • Em Metal Gear Solid Peace Walker, entre os rostos genéricos dos soldados, há dois extremamente semelhantes a Jonathan e Ed;
  • Em Metal Gear Solid 4, no iPod de Snake, há 3 músicas de Policenauts disponíveis;
  • Como já foi dito anteriormente, a relação entre Jonathan e Ed é inspirada em Martin Riggs (Mel Gibson) e Roger Murtaugh (Danny Glover) em Máquina Mortífera, clássico de Richard Donner;
  • Na versão original há uma referência clara ao filme "Coma";
    Cena do Game
    Cena do Filme
  • Solid Snake fuma o cigarro da mesma marca que Jonathan;
  • Na Graphic Novel de Metal Gear Solid 2 Karen aparece como uma jornalista comentando sobre o caso da Dead Cell;
  • Inicialmente Metal Gear Solid 3 envolveria a corrida espacial, logo provavelmente haveriam bastante referências a Policenauts. Aliás, a música de encerramento, ao invés de ser Way to Fall seria Space Oddity de David Bowie;
  • No Pilot Disk (disco que vinha com o prólogo do game, assim como foi Snatcher e basicamente o que é Ground Zeroes) lançado para 3DO haviam duas imagens prévias em baixa qualidade de Metal Gear 3 (futuro Metal Gear Solid) com Snake e Meryl e o grupo de vilões;
    Snake e Meryl
  • No primeiro Metal Gear de MSX2, em um dos andares da base que Solid Snake está invadindo, pouco antes dele lutar contra um helicóptero, ele é atacado por vários soldados em armaduras semelhantes a jetpacks, algo que pode ter servido de inspiração para as roupas dos policiais em Policenauts. Curiosamente essa armadura retornou em Metal Gear Solid 4, durante o fim do Ato 2, aonde vários soldados “zumbis” atacam o tanque de Drebin, e bem longe há alguns soldados te atacando com essas roupas;
  • Curiosamente, após Policenauts, as Metal Gears seguintes deixaram de ser tão parecidas com tanques só que com pernas, mas sim com formas mais humanoides ou animalescas, sendo a Metal Gear REX semelhante as armaduras de Policenauts e a RAY semelhante a armaduras de Evangelion;
  • Agora, o mais clássico, mas que nem todo mundo sabe: Lembra aquele jingle épico que toca na tela de logo da Konami no início de Metal Gear Solid do Playstation? Então... É APENAS UM TRECHO DE OLD L. A. 2040 E END OF THE DARK!



Bem, por hoje foi isso. Espero que tenham lido tudo. Deu MUITO trabalho, então espero o apoio de vocês. Comentem e compartilhem com os amigos, porque seria muito gratificante para mim. É um artigo único do tipo no Brasil, ou até mesmo na América Latina, então realmente espero que mais pessoas leiam.


Postar um comentário

[facebook]

Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget