Cronologia do lore de Demon's Souls




Vocês já devem ter percebido o quanto, não só eu, mas a galera toda aqui do blog admira Dark Souls. Pois é, esse foi o game que mais joguei na vida , e um dos vários motivos para que esse jogo seja  tão incrível para mim é ele ter uma história rica e profunda, mas sem joga-la na cara do jogador, um meio de narrativa tão genial que até hoje o lore do game é discutido por ai.

Por ser tão fã de Dark Souls e da franquia Souls em geral, recentemente paguei uma dívida que tinha comigo mesmo e finalmente tive a oportunidade de zerar o irmão mais velho e obscuro de Dark Souls: Demon’s Souls. É incrível como um game tão semelhante consiga ter uma atmosfera tão diferente de Dark Souls — não melhor nem pior, apenas diferente. Então, aproveitando que já temos um artigo aqui no Blog explicando o maravilhoso enredo de Dark Souls de maneira cronológica, resolvi tentar fazer o mesmo com Demons.

Lembrando que por ter uma história muito interpretativa, o que vou escrever aqui pode não ser exatamente 100% verdade, mas um conjunto de teorias, especulações e interpretações espalhadas pela internet ou feitas por mim mesmo.

Ah, BEWARE OF SPOILERS AHEAD


As origens do mundo


’’No primeiro dia, ao homem foi concedido uma alma, e com ela, clareza.
No segundo dia, sobre a Terra foi plantado um veneno irrevogável, um demônio devorador de almas.’’

Essas são as primeiras palavras do game, e de cara já colocam algumas dúvidas em nossas mentes. Quem ou o que, concedeu uma alma ao homem? Algum tipo de Deus? E porque esse misterioso criador plantou um demônio devorador de almas logo em seguida? Estava tão inseguro com a dádiva que deu ao homem, que se assegurou de depois criar algo para toma-la de volta?

De qualquer forma, graças ao presente divino, o homem passou a ter consciência de si mesmo e do mundo ao seu redor, e isso o permitiu a se desenvolver e prosperar. Não demorou muito para surgir os primeiros grupos de pessoas de forma organizada, que formariam os primeiros reinos dispersos pelo mundo, porém  apesar de separados, todos (ou pelo menos a maioria) eram unidos benevolentemente por algo em comum: as Soul Arts.

Através da prática das Soul Arts, as pessoas poderiam realizar feitiços usando o poder de suas próprias almas... Imagino que usavam somente para práticas benéficas, pois como já disse, todo o mundo era benevolentemente unido. Provavelmente as pessoas ainda eram ‘’inocentes’’ demais e não tinham a malicia de usar as Soul Arts em favor próprio. Importante dizer que a fonte do poder das Souls Arts não era exatamente a alma do individuo e sim o demônio devorador de almas que foi plantado em baixo da Terra no segundo dia. Mas como diabos algo teoricamente perverso seria a fonte de um poder tão benéfico para a humanidade?

É difícil de ter certeza do porquê, mas uma teoria que gosto demais sobre isso é que, na verdade naquele lugar onde o tal demônio foi plantado, nasceu uma árvore. E essa árvore não tinha aspecto demoníaco, pelo contrário, seu aspecto era belo, imponente e puro, sendo adorada pelo povo, considerada por eles algo divino que os conectava com Deus ou algo semelhante. No entanto temos poucos indícios de que essa árvore exista, portanto isso é mera especulação (algo semelhante a essa hipotética árvore aparece em uma das cenas contando a história do jogo, justamente na parte que fala das Soul Arts).

O despertar do Old One

E então o egoísmo e ambição por poder começou a crescer no coração dos homens, e isso corrompeu a fonte do poder das Soul Arts, despertando o demônio devorador de almas que estava enterrado, o chamado Old One. Uma coisa que pode fortalecer a teoria da árvore é a aparência do Old One, aparentemente uma imensa massa de terra com um monte de vegetação deteriorada em cima... será que isso é a forma corrompida da suposta árvore pura do passado? Se sim, talvez ‘’o demônio’’ enterrado no segundo dia não fosse exatamente um demônio por si só, mas algo que foi corrompido pela ganância do homem.

Talvez a função do Old One seria auxiliar a humanidade com as Soul Arts enquanto eles permanecessem puros, mas quando a ganância dominasse o homem e confirmasse a insegurança do criador com sua criação, Old One teria que consertar o erro sugando todas as almas do mundo.


A maneira como esse processo acontece é através da névoa profunda (também chamada de névoa sem cor), que vai sugando aos poucos as almas das pessoas por onde ela passa. Como a alma é a fonte da consciência da humanidade, sem elas, as pessoas começavam lentamente a ficarem insanas, se tornando feras sem mentes e atacando todos que ainda mantem um pouco de sanidade.

E a única forma de se manter são é se aproveitar de um efeito colateral que a névoa trouxe: poder ‘’se alimentar’’ de almas alheias. Como um remédio que trazia alivio, mas não a cura, as pessoas se tornaram verdadeiros vampiros com uma fome insaciável que as transformavam literalmente em monstros, pois quanto mais almas eles se alimentassem, mais próximos ficavam de virarem demônios.

Demônios são servos do Old One encarregados de se alimentar de almas humanas e transferirem para ele. Existem vários tipos de demônios, e nem todos já foram humanos um dia, alguns simplesmente ‘’nascem’’ quando a influência da névoa é muito forte em um lugar. Esses são os chamados de demônios puros, ainda em forma larval que vão crescendo e se fortalecendo a medida que se alimenta de almas humanas.

Os demônios mais poderosos e influentes são os Archdemons, que mantem uma conexão direta com o Old One. Eu acho que, apesar de alguns terem personalidade própria, os demônios não são apenas servos do Old One, são parte dele, como galhos de uma extensa árvore.

Mas enfim, devido a invasão da névoa, demônios, e da insanidade da maioria dos humanos, o mundo se tornou um completo inferno e metade da população pereceu, perdendo suas almas para sempre.

Mas mesmo com todo o caos, os sobreviventes não desistiram, e um grupo de guerreiros — de algum jeito que eu confesso que não faço ideia — conseguiram selar o Old One no fundo de um templo especial chamado Nexus. Não sei se o Nexus já existia antes ou foi criado por esses guerreiros, nem se é um lugar físico ou algo fora da ‘’realidade material’’, mas o que sei é que ele é um ponto neutro que se conecta com vários lugares do mundo através de uma espécie de dispositivo de teletransporte mistico chamado Archstone.

Os guerreiros que selaram o Old One se tornaram Monumentals, seres metade existentes que seriam responsáveis a partir de então em ''manter a fábrica da própria realidade''. Não faço ideia de como isso aconteceu, e nem tenho certeza se os Monumentals são confiáveis mesmo... Mas o mistério que os rodeiam é fascinante.

A guerra contra o Old One foi devastadora e poucos reinos e terras sobraram, as principais sendo:

Terra dos gigantes do norte

Não dá pra falar muito porque tem quase nenhuma informação desse lugar no game. É o lar de uma raça de gigantes, que aparentemente eram sociáveis e pacíficos — ao contrário dos gigantes do Dark Souls 2 por exemplo — e acredito que eles mantinham uma relação amistosa com Boletaria e outros reinos.

Boletaria 

Fundado pelo grande Rei Doran, o reino de Boletaria começou como um pequeno grupo de pessoas determinadas que trabalhavam em conjunto pelo bem do reino, e graças a isso foi crescendo e crescendo ao ponto de se tornar o reino mais poderoso e influente, tendo mesmo que indiretamente uma posição de liderança em relação aos outros reinos e regiões próximas (pelo menos eu tenho essa impressão).

Valley of Defilement

Lugar pantanoso e cheio de pragas, destinados a todos os negligenciados pela sociedade, como doentes, deformados, indigentes,  e até mesmo mortos (mais especificamente, fetos de bebês abortados).

Stonefang Tunnels


Uma rede complexa de túneis escavados em uma região montanhosa. Os túneis eram tão complexos que se formou uma espécie de sociedade lá em baixo, a ‘’City of Burrowers’’, com um rei os liderando. Eles acharam o esqueleto de um imenso dragão enterrado, e ficaram tão admirados com a imponência do bicho que passaram a adora-lo como um deus, criando um templo ao redor dele.

Mas além de adoração, eles sentiram tanto medo do dragão que o templo construído também servia como uma espécie de prisão para o esqueleto, temendo que de algum jeito ele voltasse a vida. Colocaram inclusive duas armas especiais posicionadas para matar o dragão.

Nunca vi uma galera com tanto medo do próprio deus quanto esses caras...

Ilha das Tempestades

Lar de antigos bárbaros pagãos conhecidos como os Shadowmen. Eles construíram um templo, Shrine of Storms, para honrar os Storm Beasts, criaturas mitológicas que eles acreditavam que tinham o poder de controlar as tempestades. Os Shadowmen  também acreditavam em um ritual pós morte onde o guerreiro seria julgado por uma espécie de juiz místico e caso fosse aceito, seria levado com os Storm Beasts e seu rei, Storm King, para se tornar um herói das tempestades no paraíso.

Latria

Com uma sociedade matriarcal, tendo a Rainha como autoridade absoluta (e até talvez, figura de devoção) o reino de Latria fica ao sul de Boletaria e é formado por diversas torres construídas em um pântano, conectadas por imensas correntes de ferro. Dizem que as torres foram construídas pelos antigos, que buscavam o conhecimento dos céus.

Os Monumentals deram um Archstone para os regentes de cada um desses lugares, para mante-los conectados entre si pelo Nexus, e depois baniram o uso das Soul Arts para prevenir que o Old One não seja acordado nunca mais. 


A misteriosa Maiden in Black

Antes de continuar, não posso deixar de falar da Maiden in Black, que é um dos personagens mais importantes — e um dos meus favoritos — do game. Por trás de sua personalidade delicada e gentil, Maiden in Black já foi um dos mais antigos e poderosos demônios a surgir após o despertar do Old One. 






Ela provavelmente foi uma das primeiras humanas a se tornar um demônio, mas ao contrário do que geralmente acontece, ela manteve sua forma humana e sua personalidade. Eu acho que isso acontece quando a pessoa aceita de maneira completa a influência da névoa profunda (sim, isso é possível... aconteceu o mesmo com outra pessoa, mas falo disso mais tarde).

Por ser tão poderosa a ponto de poder manipular almas facilmente, os Monumentals usaram algo chamado Nexial Binding para mante-la presa no Nexus até mesmo depois da morte (talvez por isso ela não desapareceu quando o Old One voltou a dormir) assim restringindo seu enorme poder e mantendo sob controle. Além disso Maiden in Black possui uma enorme influência sobre o Old One — mais do que qualquer demônio— portanto mante-la presa no Nexus poderia ser útil aos Monumentals caso o coisa ruim acordasse de novo. Ela permaneceu presa no Nexus por eras e eras, até que seus poderes pudessem servir de auxílio a alguém...

Um rei consumido pela tristeza



Muito tempo se passou, mais especificamente doze gerações. Os Archstones, o Nexus, o Old One... todos foram aos poucos sendo esquecidos pela humanidade, virando mitos ou lendas. E durante esse tempo, a maioria dos Monumentals morreram, sobrando apenas um. Justo eles, que se diziam responsáveis por ''manter a a fábrica da realidade''... Será que isso quer dizer que eles eram responsáveis por manter o Old One selado, e com eles mortos, o selo se tornou mais fraco?

Enfim, sob comando do Rei Allant XII, o reino de Boletaria prosperava. Allant tinha um grande carinho pelo seu povo, e eles o admiravam também. No entanto, não se pode governar e proteger um reino apenas demonstrando carinho pelas pessoas, por isso Allant tinha a sua disposição um enorme e exemplar exército que mantinham o reino em segurança... Além de ter três dragões de estimação.

Você leu direito, ele tinha TRÊS FUCKING DRAGÕES DE ESTIMAÇÃO.

Ta, na verdade não são exatamente dragões, são Wyverns... mas quem se importa com esses detalhes? Dragões são bem mais legais de se falar.

Allant também tinha um filho, Ariona, que viveu boa parte de sua vida em Latria com seu tio Lord Rydell (conhecido também como Little Allant). A presença de um familiar de Allant em  Latria é um indício de que os dois reinos tenham alguma ligação mais próxima.

Apesar de ser o príncipe de Boletaria, Ariona era fraco e nunca se deu bem em combate,  talvez esse tenha sido o motivo dele ter ido para Latria, fugindo de Boletaria e da responsabilidade de ser um cavaleiro ou algo assim.

Mas voltando a falar do exército de Boletaria, os guerreiros de elite dele eram os Cavaleiros da Mesa Redonda de Boletaria, compostos por Long Bow Oolan, a melhor arqueira do reino, sempre protegida por uma legião de soldados fiéis com escudos durante as batalhas , Knight Metas, conhecido por sua famosa espada que era maior que qualquer lança, Tower Knight Alfred, portador do maior e mais pesado escudo de todo reino, e por fim, os irmãos Biorr e Vallarfax, os chamados Twyn Fangs.

Mas, por mais que seu reino fosse praticamente perfeito, Allant ficava mais melancólico a medida que ia envelhecendo. Um homem que praticamente tinha o mundo ao seus pés... Mas ainda assim se sentia vazio, com uma necessidade de conquistar mais e mais poder, mesmo sem saber o que exatamente era esse poder que ele tanto desejava. Então, conhecendo as antigas lendas das Soul Arts, esquecidas pela maioria das pessoas, o Rei partiu de Boletaria para estudar esse tipo de poder e buscar respostas. Essa sua jornada o levou para o Nexus, onde provavelmente com auxilio da Maiden in Black, aprendeu a técnica de sugar as almas de outras pessoas.

Com seu novo poder, Allant voltou triunfante e satisfeito para Boletaria, mas essa satisfação não durou muito tempo... Ele precisava de mais daquele tipo de poder. Mas por que esse desespero por conseguir poder? Teria o Rei percebido que não importa o quanto seu reino seja magnifico, imenso, próspero... Nada disso era suficiente para acabar com o sofrimento do mundo? Esse seria o motivo de sua tristeza? Ou ele estaria projetando seu sofrimento e frustração nas pessoas para alimentar seu insaciável e egoísta desejo por poder, que cedo ou tarde consumiria e o destruiria de dentro pra fora?

Allant é um personagem FODA

Seja para salvar o mundo do sofrimento, ou para salvar a si mesmo de sua tristeza, Allant voltou para o Nexus maravilhado com as Soul Arts querendo mais daquele poder. E foi assim que o grande Rei Allant despertou o Old One, para mais uma vez devorar todas as almas do planeta. Talvez assim o desejo do Rei se cumpriria e o Old One — que foi criado justamente para consertar os erros da humanidade — poderia acabar com o sofrimento das pessoas de uma vez por todas. Mas para fazer isso, ele causará um sofrimento maior para o mundo do que Allant jamais sentiu ou imaginou.

O retorno do Old One e suas consequências



A névoa sem cor mais uma vez se espalha pelo mundo. A primeira região atingida são as terras do norte, lar dos gigantes. O conflito foi tão devastador que parte do exército de Boletaria — provavelmente agindo por conta própria, já que foi o rei deles que causou tudo isso — tentou ajudar os gigantes a conter os demônios, mas foi em vão. Para prevenir que a invasão dos demônios se espalhassem pelo mundo, os gigantes destruíram sua Archstone... Ou talvez aquela terra foi contaminada de maneira tão intensa pela névoa demoníaca que a Archstone se destruiu sozinha.

De qualquer forma, nada impediu a névoa de se espalhar, e logo ela e seus demônios chegaram a Boletaria. Mas não apenas isso, Rei Allant também voltou, os liderando. Ariona, filho de Allant, sabendo dos rumores sobre a desgraça de Boletaria e de seu pai ter se transformado em demônio, pegou a armadura e armas de um cavaleiro de Latria e voltou para Boletaria usando outro nome: Ostrava of Boletaria.

O amor que ele tinha pelo seu pai e pelo reino era tanto que foi o suficiente para ele superar sua covardia e se transformar em um cavaleiro, indo confirmar se os rumores eram verdadeiros, pois ele não acreditava. Na verdade, ninguém de Boletaria conseguia acreditar que seu Rei Allant estava liderando um exército de monstros. Mas eles mal podiam imaginar que o Rei no momento não poderia liderar nem a si mesmo.

Consumido pela influência demoníaca ao despertar o Old One, Rei Allant se tornou um demônio... Mas não um demônio monstruoso, poderoso e amedrontador, e sim uma criatura patética que mal conseguia se mover, destinada a ser escravo do Old One. Ainda assim, o Rei acreditava que fez o certo, que enfim salvou a humanidade do sofrimento. Ou pelo menos é o que ele repetia incansavelmente para si mesmo, como se estivesse tentando se convencer de que não transformou o mundo em uma pilha de merda.

O Rei Allant que voltou para Boletaria era uma réplica, um Archdemon com a aparência de Allant para enganar o povo e se alimentar de suas almas. Os Cavaleiros da Mesa Redonda tentaram lutar, mas não importa o quão forte eles eram, também foram afetados pela névoa. Long Bow Oolan se transformou em Phalanx, um demônio bizarro com a forma de uma... Enorme gosma preta, mas assim quando era humana, protegida pelos seus fiéis soldados de escudos que também foram transformados em criaturas gosmentas.



Tower Knight Alfred também virou demônio, ele que já era conhecido por portar o maior escudo do reino, ganhou uma estatura semelhante a de gigantes graças ao poder das almas. Quanto a Metas, apesar de também ter se transformado em um demônio, foi o único que não teve uma mudança drástica de aparência... Talvez isso indique que ele foi o ultimo que sucumbiu a influência demoníaca.

Biorr foi preso em uma torre pela sádica Miralda — a carrasco do reino — que ficou ainda mais cruel com a influência da névoa. O irmão de Biorr, Vallarfax, conseguiu fugir de Boletaria e da névoa para avisar o ''mundo de fora'' o que estava acontecendo com o reino, mas foi morto por um dos dragões de estimação de Allant quando ele voltou para o reino..

E assim Boletaria — o maior de todos os reinos — caiu. A névoa continuou a se espalhar, e o mundo aos poucos foi se transformando em um inferno. De novo.

O demônio mais impuro



    Ó, querido Deus, tenha piedade...não é o seu abandono um castigo suficiente para nós?
                                                                                                                                        — Astraea

Como eu já disse, as Soul Arts no passado distante era o meio que as pessoas tinham de se conectar com ''Deus'' ou algo do tipo. No entanto as Soul Arts foram esquecidas com o passar do tempo... Mas não totalmente. O conceito do que ela era exatamente foi esquecido, mas as memórias das pessoas são fortes os suficiente para passar tradições adiante, mesmo que não de forma exata. Então por deturpação e interpretações erradas do que eram as Soul Arts do passado, uma nova fé surgiu, com ''Deus'' sendo o ponto central de adoração.

Em Mird, ao oeste de Boletaria, a Igreja foi criada em torno dessa nova fé. A nova religião logo se espalhou pelo mundo, e sua influência pode ser sentida até mesmo em Boletaria. Muitas famílias nobres faziam parte da hierarquia da Igreja, entre elas, a família de uma jovem chamada Astraea. Quando era criança, Astraea encontrou o ''anel da prece sincera'', no qual acreditava-se ser uma relíquia sagrada, uma revelação do próprio Deus, um sinal de que ele teria escolhido Astraea para se tornar a Sexta Santa da Igreja. Ou pelo menos era isso que ela acreditava.

Garl Vinland, também era membro de uma família nobre. Seu pai era um clérigo de grande autoridade, e sua irmã, Selen Vinland, uma cavaleira do alto escalão da Igreja. Garl cresceu nesse ambiente religioso, e se tornou um dos principais cavaleiros da Igreja, seus feitos eram famosos por toda Mird. Ele era o inseparável amigo de infância de Astraea — e talvez, interesse romântico — uma relação de extrema confiança e lealdade, o que levou Astraea a o escolher para ser seu cavaleiro protetor na missão mais importante de sua vida: Fazer uma peregrinação para o Valley of Defilement.

A fé movia a vida de Astraea, ela tinha esperanças de que Deus poderia trazer a salvação para qualquer um, até mesmo para uma terra amaldiçoada como o Valley of Defilement. Então ela decidiu montar uma caravana de cavaleiros da Igreja — incluindo Garl Vinland, como já disse — e partir, para tentar aliviar a dor dos moradores do vale.


Mas ao chegar lá e presenciar de perto o sofrimento daquele povo, Astraea passou a se perguntar: por que Deus permitia tanto sofrimento assim? Por que ele abandonou aquelas pessoas? Ela viveu sua vida inteira agarrada em sua religião, mas agora com sua fé abalada, seu mundo desmoronou. Mesmo assim, a bondade de Astraea ia além de sua crença, portanto ela decidiu permanecer naquele vale para ajudar.

E então a névoa chegou... E com ela, já sabem, demônios, insanidade, enfim, só coisa bacana e feliz. Os cavaleiros que vieram com Astraea tentaram lutar, mas a maioria morreu.

Se ainda restava algum vestígio de fé em Astraea, a névoa e o sofrimento extra que ela trouxe fez o favor de acabar com isso de vez. Disposta a ajudar as pessoas do vale — e também como uma forma de amaldiçoar Deus — Astraea sacrifica a si mesma e aceita a influência demoníaca da névoa, se transformando em um Archdemon.

Porém graças a sua fé, não na Igreja nem em Deus, mas em acreditar que poderia ajudar aquelas pessoas, ela conseguiu atingir uma espécie de estado demoníaco transcendente durante sua transformação, mantendo sua aparência e sua personalidade (assim como Maiden in Black). Astraea então passa a usar seus poderes demoníacos para ajudar as pessoas do vale, e começa a ser tratada pela galera de lá como uma espécie de messias. E claro, com Garl Vinland sempre a seu lado, a protegendo.



Os rumores de que Astraea se transformou em um demônio começaram a se espalhar, e a Igreja decidiu enviar cavaleiros para ter certeza disso. Astraea virou um Archdemon com a intenção de ajudar as pessoas do vale, mas pra isso ela ainda tinha que cumprir sua função de transferir almas para o Old One, então ela era obrigada a usar as almas desses cavaleiros que foram confirmar os rumores, ou de qualquer aventureiro que invadisse o vale, e entrega-las ao Old One. Isso era o preço que ela tinha que pagar... Em todos os sentidos.

Eu sinto algo peculiar nesse lugar. Ele transparece imundice, mas as vezes o sinto estranhamente... puro
                                                                   — Selen Vinland    

Por ser uma santa da Igreja que se transformou em demônio, Astraea ficou conhecida como o ‘’demônio mais impuro de todos’’, no entanto sua presença naquele vale amaldiçoado conseguiu — mesmo com todas as desgraças daquele lugar — purificar as pessoas e amenizar seus sofrimentos de uma forma que ninguém conseguiria. 

A história do Demon's Souls lida constantemente com o dilema de se transformar em um demônio ao consumir muitas almas, e apesar disso não ser possível literalmente no jogo, ser obrigado a matar Astraea é o mais próximo que o game faz do jogador se sentir um demônio.

A ironia é que estamos falando de uma franquia conhecida pela maioria apenas por ser difícil, mas a ''batalha'' contra Astraea consegue ser uma das melhores de toda a franquia... Mesmo não tendo NADA a ver com dificuldade (assim como a do Sif no Dark Souls), e sim pelos sentimentos que transmite.

Sério, isso é foda demais.

Continuando.

Mitologia virando realidade



Entre o primeiro e o segundo despertar do Old One, Boletaria cresceu consideravelmente e uma das terras anexadas ao reino foi o Stonefang Tunnels (não sei se houve alguma treta nesse processo). Agora sob ordens de Boletaria, os escavadores trabalham procurando minérios para a fabricação de armas e equipamentos para o exército de Boletaria, que são forjadas pelos irmãos gêmeos Ed e Boldwin.

Quando a névoa chegou, ela começou a transformar todos os escavadores em demônios draconianos cheios de escamas no corpo, mas a paixão por escavação deles — herdada dos seus antepassados — era tão forte que eles continuaram escavando mesmo assim.

O processo de transformação nesses demônios escamosos era lento, e Boldwin aproveitou isso para fugir para o Nexus... Mas seu irmão Ed era tão forte t fisicamente e psicologicamente que permaneceu lá como se nada estivesse acontecendo, e mesmo assim não se transformou em demônio (apesar de ter escamas por quase todo seu corpo). O próprio Boldwin exalta a força de seu irmão, e é possível que eles sejam descendentes de um herói lendário chamado Big M, que era conhecido por matar dragões... Com as próprias mãos.

O CARA MATAVA DRAGÃO COM  FALCON PUNCH!

E falando em dragão, a névoa de alguma forma trouxe de volta a vida o Deus Dragão que os antepassados dos escavadores tanto idolatravam, o transformando em um Archdemon. Mas como diabos isso foi possível? Minha teoria é que isso aconteceu porque esse dragão mexeu demais com o imaginário daquele povo... E uma das coisas que não falei sobre a névoa é que ela tem o poder de transformar mitologia em realidade.

Isso também pode explicar a presença de outro demônio nos túneis: Flamelurker. A identidade desse demônio é um mistério, mas por ficar bem próximo ao templo do Deus Dragão e atacar só com as mãos, especula-se que ele seja a forma demoníaca do lendário herói Big M, ou melhor, um demônio representando a forma com que o povo imaginava o Big M.

A névoa tornar o imaginário real, parece algo nada a ver, mas isso é tão possível que aconteceu em outro lugar.

A distante Ilha das Tempestades já estava desabitada quando a névoa chegou, mas as almas e o imaginário do povo de lá permeavam tão fortemente aquele lugar que isso — sob influência da névoa —  deu vida aos seres mitológicos daquela cultura : os Storm Beasts.

Eu ODEIO esse bicho

Não apenas isso, mas o próprio ritual pagão de redenção que eles acreditavam se tornou real. Um demônio em forma de coroa possuiu o cadáver de um dos heróis de lá e o transformou no Executioner, juiz místico das lendas responsável por julgar os guerreiros mortos da ilha e manda-los para o paraíso como Herói das Tempestades junto dos Storm Beasts e seu rei, Storm King. 

No entanto esse ritual mitológico se tornou literal até demais. O demônio Executioner devorava — vivo ou morto — quem não fosse considerado ‘’adequado’’ para se tornar Herói das Tempestades... E os ''felizardos'' que eram aprovados por ele, tinham suas almas devoradas pelo Archdemon Storm King. Como vocês podem perceber, de qualquer jeito todos tinham finais felizes aqui.

Enquanto isso no sul...

A queda de Latria




Com o Old One desperto novamente, a prática de Soul Arts voltaram e até mesmo um ‘’novo tipo’’ de magia surgiu: os milagres. A Igreja e seus fiéis consideravam  os milagres um sinal divino por terem surgido justamente em uma época cheia de desgraças, e condenavam o uso de feitiços pois a fonte deles era o Old One. O que eles falharam em perceber é que a fonte dos milagres também era o Old One.

De fato, Old One era a fonte de todo tipo de magia, feitiço, milagre, fuba, macumba, enfim, e sabendo disso, uma seita secreta chamada Order of The Soul — formada por estudiosos das Soul Arts — contratavam assassinos e mercenários para matar qualquer um que sabia  demais sobre magias ou sobre o Old One, temendo que alguém consiga sela-lo como os Monumentals fizeram no passado. e banissem o uso das Soul Arts.

Mas por que estou falando tudo isso, se vou falar de Latria aqui?

É porque essa seita tinha uma forte presença em Latria, e é possível que tenham alguma ligação com o Old Monk, marido da Rainha de Latria que foi expulso do reino por ter feito ‘’coisas abomináveis’’(lembrem-se que em Latria quem mandava em tudo era a Rainha). Claro que ele pode ter feito qualquer coisa, mas o interesse dele por magias, além da presença da Soul Society em Latria pode indicar alguma relação dele com essa seita, e talvez por isso ele tenha sido expulso de Latria pela Rainha.

Ou ela apenas levou um par de chifres, quem sabe.

Seja qual for o motivo, Old Monk voltou para Latria após o despertar do Old One em busca de vingança...  Mas desta vez, o antes velho e patético monge, agora estava com uma legião de demônios a seu comando, além de possuir o Manto Dourado, um artefato mistico de grande poder. 

Conhecendo a idolatria e adoração que o povo de Latria tinha com a Rainha, Old Monk sabia que mante-la ''viva'' na presença deles seria mais inteligente para poder controla-los e evitar algum tipo de revolta. Ele então mata a Rainha e usa sua alma para criar uma boneca idêntica a ela, fazendo todos pensarem que ela ainda continua viva.

As torres de Latria, antes simbolo do reino, agora viraram grandes masmorras, com o povo sendo escravizado e tendo suas almas roubadas pelo Old Monk e seus demônios. Mas apesar de tudo isso, eles ainda tinham esperança em sua Rainha (ou a boneca com aparência dela), acreditavam que toda a desgraça que estava acontecendo era algum tipo de provação ou castigo, mas que poderiam conseguir redenção.

Eu ODEIO esse bicho²

No entanto essa ''redenção'' era um truque do Old Monk — gárgulas levavam as pessoas para o ''paraíso nos céus'' que na verdade era a torre principal do reino, onde Old Monk se alimentava de suas almas e usavam seus corpos em experimentos para a criação de novos demônios. Com a Rainha morta e o povo sob seu controle, sua vingança estava completa.

Mas apesar de agora parecer um rei poderoso para seus escravos, na verdade o próprio Old Monk era um escravo, o artefato que ele usava, Manto Dourado, era um Archdemon parasita que sugava sua energia vital. Essa energia vital eventualmente acabou, e o Old Monk se tornou um cadáver sendo sustentado apenas pelo Manto Dourado. Apesar de todos os demônios a seu serviço, o ódio pela Rainha e o desejo por vingança foi a arma mais destrutiva do Old Monk. Destrutiva tanto para o reino, quanto para ele mesmo.

Slayer of Demons chega em Boletaria



Todas as terras que resistiram ao primeiro despertar do Old One agora caíram, a maioria dos Monumentals morreram e a humanidade estava perto de sua definitiva extinção. Mas — assim como aconteceu no inicio dos tempos — mesmo nessa situação crítica, as pessoas não desistiram. Um dos responsáveis por manter as esperanças de pé foi Vallarfax, que como já disse, saiu de Boletaria e avisou o resto do mundo sobre o que estava acontecendo. Mesmo tendo morrido pouco depois, o ato desse nobre cavaleiro atraiu muitos guerreiros para Boletaria, alguns curiosos, outros querendo ganhar fama... Mas também tinha aqueles que queriam acabar com o Old One e salvar o mundo.

Um desses guerreiros escuta uma voz em sua mente enquanto se aproxima das bordas do reino de Boletaria — e da névoa. A voz era do único Monumental que restou, guiando o guerreiro até dentro da névoaEle chega em Boletaria e enfrenta seu primeiro grande demônio, o Vanguard. Geralmente ele morre aqui, mas se por acaso conseguir mata-lo, ele é levado para uma área vulcânica onde enfrenta um dragão semelhante ao Deus Dragão de Stonefang, e ai  inevitavelmente ele morre.

Acabo de descrever o tutorial do jogo.

Ok, muita gente não considera o tutorial do jogo canônico com a história principal — e talvez não seja, tornando tudo o que escrevi acima uma grande e imbecil perda de tempo — mas eu considero o tutorial importante para a história, pois mostra o objetivo do Monumental nesse inicio : nos guiar para a morte.

Ele atrai guerreiros em Boletaria para morrer porque precisa da morte deles, para assim aprisiona-los no Nexus usando o Nexial Binding, do mesmo jeito que fez com a Maiden in Black no passado. Isso pode parecer cruel, mas é uma medida desesperada e talvez a única esperança para que o mundo seja salvo, prevenindo uma morte permanente para quem queira desafiar o Old One e seus demônios e fácil acesso a todos os reinos e Archstones restantes, mesmo a custa de sua liberdade.

Fiquei com dor de cabeça tentando te achar, não posso confiar em você, gordinho!

Porém existe um personagem no game, o Vann Crestfallen Warrior, que não confia nos Monumentals. Segundo ele, foram os Monumentals que trouxeram o Old One de volta e agora estão aprisionando pessoas no Nexus desesperadamente para consertar esse erro. Isso soa estúpido, e talvez seja, afinal quem está falando é o Crestfallen Warrior, uma pessoa extremamente pessimista que desistiu de lutar contra os demônios...

Mas e se fosse verdade? Estariam os Monumentals só brincando com a humanidade? Eles dizem ser guerreiros que selaram o Old One no passado, mas, e se eles estiverem mentindo? Voltando ao inicio dos tempos, na primeira frase do game: ''ao homem foi dado uma alma''. Aqui não necessariamente diz ''um único criador deu uma alma ao homem'', fica muito ambíguo... E se fosse mais de um criador? E se os criadores da humanidade e do Old One, fossem os Monumentals???

É... Acho que estou viajando demais aqui, culpe meu fascínio por gnosticismo e o seu deus troll.

Enfim, independente das intenções do Monumental, o guerreiro é selado no Nexus com o Nexial Binding. Como ele morreu anteriormente, a Maiden in Black cria uma versão, digamos, ''astral'' do seu corpo usando parte de sua alma.

E assim, o guerreiro — que passa a ser chamado de Slayer of Demons — parte em sua missão de matar todos os cinco Archdemons e colocar mais uma vez o Old One para dormir, ou rejeitar essa escolha e se tornar o seu novo escravo no final. Você decide.

Agora termino esse artigo, e apesar de trabalhoso, foi bacana demais me aprofundar na história desse game, sem dúvida um dos melhores que já joguei. Fiquem com essa imagem foda dos personagens enchendo a cara como presente de despedida.



                                                          Flw proceis e até o dia MIL


Postar um comentário

[facebook]

Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget