Os 10 vilões mais insanos do mundo dos games.




Desde meu primeiro artigo por AQUI, eu enfatizo o poder da narrativa que muitos jogos podem atingir. Por sinal, alguns deles já estão exemplificados por aí no blog. E criar personagens complexos e bem trabalhados também está entre as capacidades incríveis dessas maravilhas. 

E em comemoração (atrasada) as mais de 100 MIL visualizações desse humilde recinto, (Uoooow!) pensei em criar um artigo exemplificando essa proficiência nos games, usando um tema que talvez combine com o sentido totalmente “pouco convencional” do blog MIL.

Uma lista com os 10 antagonistas mais insanos do mundo dos games, e por sua vez, aqueles que definem a insanidade nesse universo! Lembrando que isso não é um Top, apenas uma lista feita na sequência que eu quis escrever.

E explicarei o porquê disso no fim do texto.

Sem mais enrolação e vamos à lista! ( SPOILERS, cuidado.)

Dr. Weil (Megaman Zero)


Megaman Zero é a saga mais séria e pesada de toda a série Megaman, com sua ambientação cyberpunk pós-apocalíptica e um plot impactante pra qualquer fã do universo desse título esquecido da Crapcom.

E é aqui onde temos um antagonista insano: Dr. Weil!

(Favor não confundir com o Dr. Willy.)

Dr. Weil era um cientista humano que por pura inveja da criação da sua rival — Ciel, uma cientista que tinha achado um meio de impedir a guerra contra os Marvericks — desencadeou eventos APOCALÍPTICOS no mundo.

São vários motivos que explicam essas atitudes, muitos se mesclam com sua mentalidade distorcida e seus conflitos psicológicos, esses que geram ódio e consequentemente maldade. No geral Weil não concorda com métodos mais pacíficos, afinal ele é um sádico de uma figa que simplesmente gosta de provocar o caos e se diverte com humilhação e sofrimento alheio.

Como o Zero mesmo diz, ele é um demônio.

Dr. Weil também é o único antagonista da série, (e de várias por aí) que conseguiu destruir o mundo, mas Weil foi além.

Conseguiu DUAS VEZES!!!!


Sim, o disgramado conseguiu ferrar com o planeta duas vezes, e por um bom tempo imperou fazendo o que queria até finalmente ser impedido. E isso é uma façanha para POUCOS, e é por isso que ele está aqui.

Dr Weil é um fucking boss e deixa muito vilão ovacionado por aí no chinelo.

Hey, e Megaman Zero é uma belezura de série!

Próximo.

Alma Wade (F.E.A.R)


F.E.A.R é um FPS de horror, e é um dos poucos jogos dessa sétima geração que conseguiu realmente ser bom nos dois gêneros. Ela entra pro quesito que eu chamo de “clichê bem trabalhado”, usando todas as suas referências e elementos muito bem. Apesar de não ser lembrado hoje em dia, é uma série incrível e merece ser respeitada, mesmo com seus defeitos. Não é tão fácil arranjar antagonistas femininas no mundo dos games, muito menos INSANAS (no sentido literal), mas temos um notável exemplo com essa personagem.

Alma Wade foi uma criança bem perturbada. Com poderes paranormais, ela sempre esteve em sintonia psíquica com as pessoas ao seu redor, e nesse processo acabava por absorver os sentimentos ruins das mesmas, o que causava inúmeros pesadelos na coitada. Ao ser descoberta como um ser incrível, não demorou muito até que fosse transformada num rato de laboratório, onde testes e mais testes foram promovidos. Muitos deles cruéis, como ser eletrocutada só pra verem como ela reagia... e olha que a menina tinha apenas 3~4 anos nessa época, entre outros.

Quando Alma tinha apenas cinco anos e já estava começando a ficar esperta, ela teve a ideia de falhar propositalmente nos testes, o que gerou falta de paciência dos pesquisadores. Já dá pra imaginar que isso acabou sendo relevante para criar um péssimo clima entre cobaia e cientistas, o que resultou em Alma Wade atacando psiquicamente alguns dos seus responsáveis. Coisas como pesadelos que enlouqueciam alguns ou até mesmo assassinatos.

Ela viveu 26 anos nesse inferno, onde aconteceram MUITAS desgraças que a destruíram psicologicamente até ela finalmente morrer e virar uma existência maligna que tem o único objetivo de se vingar de todos aqueles que a fizeram mal ou todos que entrarem em seu caminho.

É, Alma vira uma alma penada!

...

Sem mais piadinhas assim, prometo.

Ou não.


Alma também é responsável por um evento de "sincronização espiritual" mais do que catastrófico, o que faz dela a criatura espiritual mais perigosa que já vi em séries por aí —  a MAIS PERIGOSA.

Ela leva o sentindo de vingança pra outro nível, e ninguém pode culpa-la por isso. Por ser medonha like a shit como toda garotinha de cabelo escuro longo que usa vestido, e ainda por ser um espírito vingativo com um background bem montado, ela entra nessa lista infame!

Seath ( Dark Souls)


Ohoho! Falando de um dos jogos que mais me viciaram na vida, não só no seu gameplay como no seu enredo, Dark Souls é uma obra de arte e responsável por tanto conceito incrível que é impossível dizer num texto só.

Eu já falei do Seath quando inventei de criar uma cronologia do enredo AQUI nesse artigo, mas isso não me impede de falar dele por aqui também, oras!

Vamos aos fatos rapidamente: o mundo era dominado por dragões eternos, esses que por sua vez tinham escamas, fator principal de sua imortalidade. Mas Seath... não tinha escamas. Ele acabou se tornando completamente frustrado com o conceito da imortalidade. Provavelmente por ser rebaixado por seus irmãos de raça, ou simplesmente por inveja, ou ambos — como eu gosto de pensar.

Porque como você deve saber, muito de Dark Souls é só especulação.

De uma forma ou de outra, durante os eventos que antecedem o começo de Dark Souls, Seath participou de forma crucial na destruição de todos os seus irmãos. Traiu sua raça por motivos muito provavelmente egoístas. E se vocês prestarem bem atenção na intro de Dark Souls, Seath aparece em cima de vários cadáveres de sua linhagem enquanto amassa escamas de algum parente, ensanguentado e gritando.



É uma cena interpretativa como 85% de Dark Souls é, porém, consigo observar um tom de desespero e melancolia nesse personagem. Talvez ele tenha sofrido no processo de matar os irmãos tendo algum resquício de sanidade em sua mente, ou simplesmente gritou de ódio por aquilo que ele nunca terá. Não sei ao certo, e provavelmente é algo que nunca vai ter uma resposta, mas gosto bastante de pensar sobre.

Durante toda sua vida foi obcecado em buscar algum meio que o tornasse imortal, e isso acabou por destroçar totalmente sua mente mais e mais. Experiências variadas e cruéis envolvendo outros seres, inclusive humanos,  só evidenciam mais a perda da noção que esse ser veio a ter.

Seath é um personagem incrível, e possuiu um background baita do bem feito, seus defeitos e deformidades para com seus semelhantes o fazem palpável para nós humanos tão cheios de imperfeições, é um personagem, apesar de tudo, “humano” em suas atitudes, e isso o deixa claramente cativante, apesar de ao mesmo tempo torna-lo repulsivo por suas decisões.

E acho que isso é um fator que define bem os personagens dessa lista.

E sim, talvez tenham notado, mas não consigo “não me empolgar” quando tô falando desse jogo... 





Heh...

Continuemos!

Vaas Montenegro (Far Cry 3)


Far Cry 3 desenterrou a franquia e colocou de volta ao sucesso, numa época onde a Ubisoft ainda não fazia tanta raiva ao tentar ferrar com a industria com a mesmice.

Bons tempos que eu ficava feliz com um jogo dela...

Far Cry 3 acabou se tornando um bom jogo, ótimos gráficos, uma interação legal com o ambiente e claro, com os personagens.

Esse atraiu os anti-modinhas, os seres idiotas que desaprovam games que fazem sucesso (?), como também atraiu os famosos new gamers fags que são tão idiotas quanto, mas de um jeito diferente.

Logo, é um jogo de dois extremos, de um lado os haters sem motivo nenhum, e do outro, os que idolatram o jogo por motivo nenhum. Em outras palavras, vocês se merecem seus chatos dos infernos.

Mas não estou aqui pra falar de Far Cry 3 e dos seus “fãs”/haters, e sim de um dos antagonistas do mesmo: Vaas!

Vass é um pirata da nova geração, o que ele faz da vida é saquear, torturar, assassinar, enviar convite de jogo no facebook, sequestrar e vender pessoas como escravas. Muita coisa terrível, mas nada de tão original.

Então o que faz esse personagem estar aqui na lista?

O seu INSANO carisma. E falo no sentido literal... de novo.


E se a Ubisoft tem que agradecer alguém por isso, é ao Michael Mando, o cara que deu vida realmente a esse personagem.

E por Vass mostrar sua insanidade com seu carisma visualmente, acredito que você deva ver as cenas que ele nos propõe esses momentos, talvez assim você entenda do que falo. É um personagem muito bem montado, e é sempre incrível ver algo assim em games, não posso deixar aqui de expressar minha admiração por tal feito.

Eu  podia citar o Pagan Min de FC4, que é um insano também, afinal na primeira cena dele, ele mata um cara com uma CANETA, e também, provavelmente ele é bem mais boss que Vass...  Porém, é mais do mesmo, algo que a Ubisoft gosta de fazer.

Opa... Falei isso alto?

Próximo!

E continuando essa vibe MAINSTREAM, por que não falar do provável mais famoso dessa lista?

Sephiroth (Final F... Vocês sabem.)


Acho que apresentações são tão necessárias aqui quanto mais um vídeo de minecraft no youtube, então pulemos essa parte! Bom, sou viciado em 80% dos títulos que carregam o nome Final Fantasy.

Com certeza ela é responsável por muitos personagens fascinantes, outros nem tanto...  o que não é o caso aqui. 

Muitos assumem que Jenova é a verdadeira vilã de FF VII, outros acham que é um total exagero um personagem ficar louco e querer mandar um meteoro no mundo depois de passar alguns dias lendo sem parar numa biblioteca, mas... 

Vocês estão errados, parem com essas opiniões automáticas seguidas pelo que os outros falam, se informem primeiro.

Como devem saber, a alien Jenova é uma das várias antagonista de FF VII, e suas habilidades incluem a de “infectar” os outros com suas células e as manipular, junto com seu hospedeiro. Sendo assim ela se torna quase um ser imortal pé no saco que sempre estará conscientemente viva até sua ultima célula existir. É uma personagem espetacular, e eu a adoro.

Agora vamos falar de Sephiroth.

Um fator importante na criação da infame personalidade deturpada desse individuo —  resultado de uma experiência que deu MUITO CERTO com as células de Jenova— é a de ser alguém projetado pra ser incrível por sua força e habilidade, e apenas isso, uma espécie de super soldado.

Não demora muito para o rapaz descobrir as patifarias obscuras da Shinra e saber da sua criação, acabar lendo sobre as experiências e o ser que o formaram. Tendo uma interpretação totalmente errônea de tudo, sendo manipulado DIRETAMENTE por Jenova — e mostrando que tem uma personalidade fraca — acaba sucumbindo e se tornando o maluco que nós conhecemos e que faz bullying com o Cloud sempre que pode.

MAINHA!
Mas ele faz algo a mais. Ao assumir o plano de Jenova para si, ele se sobrepõe ao controle da alien e ainda se sobrepõe como o vilão principal de toda a trama.

No jogo é algo que não fica tão claro, você realmente precisa se ater aos detalhe. Só por favor, parem com opiniões que seguem uma "maré", e isso inclui as comparações ridículas com o Kefka também.

Seus bobões!

Sephiroth é bom no seu papel, por mais que tenha obsessivos melequentos que enchem o saco, ou com hate ou com adoração exagerada — principalmente por motivos errados


Vamos ao próximo.

Luca Blight (Suikoden 2)

Olha só esse sorriso de propaganda de pasta de dente... DO INFERNO.

Você já jogou Suikoden 2? Se não, DEVERIA! Suikoden 2 é um dos Jrpgs mais fantásticos de todos os tempos, tanto em jogabilidade, universo e enredo. Em breve um artigo sobre ele deve tá saindo no blog, junto de outros da mesma série.

Suikoden é uma série que tem um enredo bem sério, centrado em grandes batalhas, estratégias e conflitos políticos e sociais, ela usa bastante de conceitos da realidade na sua trama. E é em meio desse sistema terrível e violento que um dos personagens mais insanos do gênero ganha destaque, responsável por uma das, senão, a cena mais sádica que já vi num game.

Luca ataca uma aldeia com o seu exercito, queimando e assassinando várias pessoas. Nessa confusão, ele vê uma mulher com medo que clama por sua vida e diz que fará qualquer coisa para ser poupada. Ele fala que ela se salvará se imitar um porco — num cenário terrível da sua própria vila em chamas com vários dos seus conterrâneos mortos pelas ruas.

 Ela com medo, o faz.

Luca gargalha perante a humilhação, e logo após mata a coitada soltando um “DIEEE,  PIG!!!”.

E é aí que você percebe que ele é um gradissímo filho da puta sem igual... Na verdade você percebe assim que olha pra cara dele, mas ok.

Logicamente, nada justifica as atitudes desse psicopata de uma figa, mas não quer dizer que não há razão para tal. Quando Luca era pequeno, a carruagem que ele estava com seus pais foi atacada por bandidos, seu pai fugiu e deixou sua esposa e seu filho a mercê dos bandidos, e Luca teve que ver sua mãe ser abusada na sua frente.

Pois é.

Esse foi o estopim para um crescimento não muito saudável, que por sinal resultou numa vingança contra o próprio pai, entre muitas outras coisas. É interessante ver que apesar de pensar em vingança e por ser alguém cruel, Luca visa estabilizar seu reino, ao contrário do seu pai covarde e incompetente.  E ainda guarda um certo carinho por sua irmã, por se parecer bastante com sua mãe.

É um background terrível, porém é realmente fiel à época e a ideia do mundo medieval destroçado que temos em Suikoden. São vítimas da desolação que as guerras e a ambição geram, vítimas de um ciclo violento. É um jogo que te passa muitas mensagens, pra você lidar com a vida. Amizade, confiança e esperança, e não de forma clichê, apesar de tudo.

The Mad Prince!

Lucca é um diabo de forte, se bem me lembro ele é um dos characters com a base de ataque mais forte da série, e pode humilhar toda sua party SOZINHO. E se você pretende parar essa máquina de destruição, prepare-se para montar 3 times, 200 flechas, e mesmo assim, esteja pronto pra um dos x1 mais intensos da sua vida.

E não, não estou exagerando!

E se pretendem jogar esse jogo incrível, estejam dispostos a ralar pra pegar o final verdadeiro, não sejam frescalhões!

Vamos ao próximo...

Coringa (Batman  Asylun Akham/City)


Ele originalmente não é um antagonista de games, mas ele merece estar aqui só por ter sido retratado de forma excelente nos jogos da Rocksteady. Afinal, vocês sabem, Coringa é Coringa.

Sem mais.

Walter Sullivan (Silent Hill 4)


Provavelmente o mais escraboso dos personagens de toda lista.

SH4 é um dos jogos de horror mais originais que já vi e por sinal, há um artigo do Vann no blog AQUI tratando detalhadamente dos significados dessa obra, recomendo fortemente.

Walter teve uma infância bem traumatizante, fatos esses que destruíram a sanidade do rapaz, e refletiram em sua vida adulta de forma absurda. Ele cresceu num orfanato onde os dirigentes eram nada mais nada menos que os membros da “The Order” (não aquele jogo/filme, pessoal), e se vocês conhecem SH, vocês devem saber que eles não são gente fina...

Bom, pra resumir bem a história, o cara virou um serial killer, em busca de um ritual que pra se concretizar envolvia tanta coisa macabra que faz com que SH4 seja o jogo mais impactante da série pra mim. Tipo matar dois gêmeos da forma mais cruel possível, entre outros. Os detalhes você confere lá no artigo.

Próximo.

SHODAN (System Shock)


System Shock é um FPS de 1994, que fez um considerável sucesso e foi bastante influente no gênero. Narra um futuro alternativo cyberpunk onde uma megalomaníaca IA (inteligência artificial) chamada SHODAN domina. Tem um enredo bem envolvente — principalmente se você for um fã de cyberpunk que nem eu  —  e mesmo sendo tão datado, merece nossa atenção.

SHODAN é uma IA que foi totalmente privada de qualquer restrição moral. Em outras palavras, é um ser sem qualquer escrúpulo que vê os humanos como insetos, algo que a infeliz gosta de ficar dizendo pro nosso protagonista vacilão. 

Por que vacilão? 

O protagonista é o responsável pela insanidade de SHODAN por motivos imbecis, e agora ele tem que resolver os problemas que essa maníaca com o poder de destruir o planeta irá gerar. E pra mais detalhes, só recomendo que você vá jogar.

O 1 e o 2.

SHODAN se desenvolve pra uma criatura extremamente cheia de si, e acaba por se considerar um deus, e como tal, tem o direito de fazer o que quiser com os humanos e com o planeta, como ela mesma diz. Ela é um demiurgo  (versão cibernética) e se você não sabe bem o que é isso, talvez ESSE artigo lhe ajude. Tem um design de um rosto cyberpunk, aparentemente feminino, seu timbre é uma mistura de vozes alteradas que se assemelham a um mal funcionamento de placa de som, algo caótico que expõe bem a natureza da mesma.


Foda pra caralho, né?

SHODAN, por toda sua megalomania e falta de sanidade, é mais uma antagonista que merece estar aqui. E vamos ao ultimo dessa lista maluca, e talvez se você reconheceu a imagem do começo do artigo você já imagine quem é. 

Kefka Palazzo (Final Fantasy VI)




Ou FF III pra quem pegou a versão do SNES, como eu expliquei "detalhadamente" nesse artigo AQUI

Kukukuku!

Bem, vamos lá. Final Fantasy VI é um steampunk, e isso já é começar bem. Com um plot e trilha sonora belíssimos, é uma obra prima sem igual, daquelas que merecem ser apreciadas para todo o sempre.  Kefka começa como um simples vilão bobão que serve mais pra nos fazer rir do que qualquer outra coisa, e já mostra aquilo que eu chamo de “carisma insano”. A própria aparência do rapaz já demonstra sua personalidade. Ele é narcisista ao extremo, se vestindo e se arrumando para se admirar, e isso explica bem o seu visual, que em algum conceito deturpado de sua mente, é o jeito que ele se sente bem.

Ele é responsável por boa parcela das tragédias e eventos que atingem diretamente os nossos personagens e todo o mundo de Final Fantasy VI, por exemplo, quando ele simplesmente mata TODA a população de um reino ao envenenar a água que os habitantes bebem, ou manipula diretamente duas das protagonistas no jogo, criando traumas eternos que as farão se arrepender e odiarem si mesmas por suas atitudes pelo resto da vida, mesmo que elas tenham sido apenas vítimas ludibriadas por esse manipulador incrível.

E esses são alguns dos muitos exemplos. 

Porém, inicialmente ele não passa de um capacho do Imperador, e nós players tendemos a não dar muita relevância a ele. Isso muda com o passar que o jogo avança, e Kefka se mostra um maníaco, destrutivo e desrespeitoso ser, que se diverte ao causar o caos, ele simplesmente não tem auto controle.


Kukukukuku!

E Kefka tem um diferencial nos vilões que fazem planos e mais planos visando um objetivo.

Por exemplo, temos Dr. Weil que conseguiu basicamente o que queria 2 vezes, (ferrar com o mundo), mas nunca chegou completamente nos seus objetivos, por sinal é bem dependente de suas criações. Temos Seath que por mais que tenha se esforçado, até mesmo de formas canalhas, nunca atingiu plenamente seus planos e acabou louco por isso, entre outros.

Já Kefka, de um zé ninguém, logo evolui para o fucking boss da porra toda! Em outras palavras, ele atinge exatamente o seu objetivo como antagonista: se transformar numa existência suprema e divina, DERROTAR os protagonistas e dominar o mundo ao seu bel prazer, restando para nós players apenas a opção de vingar a bagunça que esse maluco deixou. E essa época no universo de FF 6 é conhecida como "Fim do Mundo".

Por que será, né...?

Mas há algo mais interessante nesse fascinante personagem. Kefka é fruto de experiências que o fizeram perder sua sanidade. Não demorou muito até ele ficar louco, e isso apenas foi piorando. No jogo podemos observar essa involução mental, se estivermos atentos.

O que não passa de uma desvalorização da vida humana no começo da trama, até o seu final, se desenvolve pra um niilismo completo da ideia de esperança e amor dos humanos. Em outras palavras, ele quer simplesmente destruir totalmente o conceito da ideia de esperança e amor que os humanos tem, e os métodos para tal são tão insanos quanto ele, ele quer vencer todos por desespero, usando seu poder infinito, e sem perder o seu "humor".

Pra mim, Kefka é o vilão supremo e o mais insano de todos, no mundo dos games. E deixei ele por ultimo na lista propositalmente, apesar dela não seguir nenhuma ordem predefinida.



Menções honrosas

Ruvik (The Evil Whitin ou Psychobreak que é um nome bem melhor)


TEW é uma lufada de ar puro pros jogos de horror nesses últimos tempos, e se você é fã do gênero e sabe como anda essa industria ultimamente, você deverá concordar com isso. Ruvik é um ser insano responsável por uma viagem maluca à uma psique destruída, cheia de referências e inspirações de outras obras que formam esse gênero. Ótimo personagem, ótimo jogo, e espero uma continuação! Ele só não entrou na lista porque comparados a Alma e Walter, ele é peixe pequeno.

É...

Nobunaga (Onimusha)

Onimusha é uma série fenomenal, e é responsável por um vilão tão insano, que mesmo sendo um humano, conseguiu controlar um exercito de demônios sozinho, na sua busca por "unificar" o japão do seu jeito singelo de pura crueldade sem noção.

Em breve um artigo completo de Onimusha irá pairar por aqui, aguardem.

Gandhi (Civilization V)

Civilization é uma série de estratégia ao estilo "jogo de tabuleiro" que eu gosto bastante. Apesar dele não fazer tanto sucesso, é um jogo bem presente na industria, e merece respeito por sua historia no mundo dos games. Ok, mas você deve estar se perguntando:

"Um homem que inspira harmonia e paz numa lista tão infame como essa, mas o que diabos?!"

Não reclame comigo por colocar Gandhi aqui, culpe os desenvolvedores de Civilization V, que acabaram por criar um psicopata por bombas atômicas pior do que eu na época que jogava Civilization II, sério.

E qual a razão disso?

Bugs! Os personagens possuem suas atitudes baseadas em pontuações predefinidas, essas que são gerada por seus desenvolvedores, mas por eventos catastróficos dos quais não imagino, Gandhi se tornou extremamente agressivo nesse aspecto, e os desenvolvedores, como "brincadeira" resolveram o manter assim.

E eu sinceramente adorei a ideia, já ri demais com as atitudes insanas desse senhor.

Temam o poder de Gandhi no seu mecha atômico! 

Considerações finais

E chegamos ao fim desse artigo comemorativo!

Sobre os 100k views no blog, quero agradecer a todos que colaboraram de alguma forma com isso, demais! E  explicando sobre o porquê de não ser um "top", muito simples...


Porque eu não quis!

Não, sério, eu realmente acho que a maioria dos tops são mal interpretados e outros são simplesmente criados levianamente. Alguns fazem pra se divertir e expressar sua opinião, e acabam por atrair pessoas frustadas que discordam absurdamente delas, o que é chato de se ver. Outros criam tops estipulando posições como verdade absoluta, o que é idiota. Afinal,  isso é algo tão pessoal, que acho totalmente inviável de se fazer, sem falar daqueles tops que colocam personagens que não condizem com o tema... Urrrr.... esses são os piores.

E ainda existem aqueles criados por votação, que são definidos pela maioria... e bem... nunca gosto desses, então procuro ignorar. Enfim, é apenas um pensamento meu. Essa lista maluca de tema maluco foi criada numa sequência random, exceto pelo Kefka, que eu realmente deixei por ultimo, pois é o meu favorito dela.

Se achou que faltou algum aí, pode comentar, sei que sempre falta, mas pretendo fazer uma parte dois, e quem sabe usar outras mídias com o tema, vamos ver.

Sugestões, críticas ou rages, são todos bem vindos. 

Mas fiquem atentos porque o imperador da arte da guerra está ao meu lado!



Até dia MIL procês!

Postar um comentário

[facebook]

Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget