Um MIL sobre a história de Gorillaz


No final dos anos 90, dois amigos tiveram a ideia de criar uma banda, mas... uma banda "diferente". Seus componentes seriam fictícios, e diferente de muitas outras bandas do tipo – até então, a maioria se tratava de alguma paródia ou tinha o foco infantil – seus background e estilos seriam totalmente originais.  

Essa ideia surgiu enquanto ambos assistiam a MTV e pra quem se lembra, antes de virar uma tralha teen, era um canal realmente musical, psicodélico e cheio de propagandas surreais aqui no brasil, acredito que a gringa devia ser assim também.


Eles diziam que "passar muito tempo assistindo a MTV era um pouco como o inferno". Eu não discordo deles, aquelas propagandas eram um LSD visual... 

Ou coisa do DEAAAABO.

Enfim, esses amigos eram nada mais nada menos, que Damon Albarn, vocalista da banda Blur, e Jamie Hawlett, famoso por ter sido um dos artistas que trabalharam em Tank Girl, que em uma época de suas vidas dividiram um apartamento.


Uma palavra pra resumir esses dois? QUALIDADE! E em breve, um artigo sobre os trabalhos fenomenais de Jamie.


A banda misturava estilos musicais com inúmeras influências, o que acabou criando algo incrivelmente original. Quando o primeiro álbum foi lançado, em 2001, ele vendeu MILHÕES de cópias, fazendo Gorillaz entrar no Guinness como a banda virtual mais bem sucedida da historia, e garantir o lugar no coração de muitos fãs.

E não é só na musicalidade e no art design que Gorillaz se sobressai. Além dos personagens possuírem todo um background, os álbuns são conceituais e narram uma trama envolvendo os mesmos. Tudo da forma mais viajada e surreal possível, o que remete bem a ideia dos criadores, e cativa muita gente. Nós inclusos.

Apesar do enredo da banda ser apenas um "detalhe" por trás dos personagens e acontecimentos – muitas vezes mostrados em clipes – eles afetam diretamente a "banda", e por sua vez o estilo musical deles. Isso é observável através das músicas e albuns, que tendem a expor as fases de seus integrantes, umas mais obscuras, outras não. E cara, isso é sensacional! No artigo isso vai ficar mais claro.

E lembrando, há um livro lançado em 2006 chamado Rise of The Ogre, que conta o enredo da banda, e ainda conta artes estupendas (como sempre) de Jaime, recomendo. Até porque lá tem informações bem mais completas do que você vai achar aqui...



Tudo bem, podem ir...

E pra os que restaram lendo esse artigo (se é que restaram), fiquem com um MIL sobre Gorillaz. E se você se pergunta o que diabos é "um MIL", é só lendo esse artigo que você vai saber! Esse que por sinal vai ser feito de um jeito um pouco diferente dos outros aqui no blog. Mais detalhes ao final dele.

Vamos deixar de enrolar e começar de uma vez!

Fase um: Inicio (fictício) 

Tudo começa em 1997 quando Murdoc Niccals dirige o seu carro, (um Vauxhall Astra) e acaba atropelando acidentalmente o 2-D, danificando “permanentemente” seu cérebro e fraturando um dos seus olhos.


Murdoc foi condenado a 30 MIL horas de serviços comunitários, além de 10 horas semanais cuidando de 2-D, que estava em estado vegetativo. Algum tempo depois, 2-D acaba envolvido em mais um acidente causado por Murdoc, que ao dirigir seu carro, tenta se mostrar pra umas garotas.

Uma delas acaba levantando sua blusa e o desconcentrando, e 2-D que estava no banco de passageiro é atirado pelo para-brisa, bate mais uma vez sua cabeça e danifica seu outro olho.


O lado bom é que a nova pancada faz o "nem um pouco azarado" do 2-D recobrar sua consciência. E com um tempo Murdoc acaba vendo o talento musical do garoto e o recrutando pra sua banda.  Em seguida, Murdoc conhece Russel Hobbs em uma loja de discos, que acaba virando o baterista da banda por ter um talento incrível. Um recrutamento o tanto “forçado”, eu diria.

Agora eles já tinham 2-D no vocal, Murdoc no baixo e Russel como baterista. Eles precisavam de um guitarrista. Inicialmente a guitarrista seria a namorada do 2-D, que depois que soube que ele tinha recobrado sua consciência, o procurou. Ela se envolveu com o Murdoc – aparentemente, apenas para entrar na banda – o que acabou dando errado quando Russel pegou os dois no banheiro, e ao ver o ato desleal de Murdoc, quebrou seu nariz 5 vezes seguidas. Esses acontecimentos resultaram a então ex-namorada de 2-D fora da banda.

Foi aí que eles colocaram um anúncio da vaga, e no mesmo dia receberam uma caixa do FedEx vindo direto do Japão. Ao abrirem a caixa, uma garotinha oriental com amnésia pulou e soltou uma introdução incompreensível em japonês seguida de um riff de guitarra que terminou com um chute de caratê impressionante no ar.

Porque bolotas, todo asiático sabe lutar...

Ela falou uma única palavra compreensível para os caras que ficaram atordoados, que foi “Noodle”, e esse virou o seu apelido.


Em 1998, eles fizeram seu primeiro show público, que acabou prematuramente por causa de uma confusão. Em 1999, Murdoc adquiriu uma propriedade chamada de Kong Studios, um estúdio assombrado com uma história obscura, situado no topo de uma colina, no meio de um cemitério. Foi nele que eles começaram a gravar, e posteriormente atingiram um sucesso absurdo.



Integrantes (fictícios)

Murdoc Alphonse Niccals

Nasceu em 6 de junho de 1966 (6/6/66), baixista, criador e líder da banda. Murdoc não teve uma infância muito boa com seu pai, o que explica bastante seu jeito mais violento e insano de agir.

Murdoc tem visão, sabe que não é apenas ter boas músicas que fazem uma banda ter sucesso, tem problemas de higiene, de aparência e tem uma mente distorcida. Dirige perigosamente, tem má aparência e o seu hoobie é bater em 2-D.



2-D  (Stuart Pot)

Na infância sempre foi conhecido como um garoto amável e com um grande gosto por música, apesar de não ser muito inteligente. Quando tinha 10 anos caiu de uma arvore e bateu a cabeça, fazendo todo o seu cabelo cair. Quando o cabelo voltou, ele começou a crescer na cor azul. Ele considera Murdoc como o cara que salvou a sua vida, e o idolatra.

 2-D é amado por todos, exceto por Murdoc. Tem uma grande legião de fãs, (principalmente mulheres) e apesar de parecer alguém misterioso e especial, é só um sujeito com enxaqueca e com a mente cheia de zumbis e analgésicos.


Russel

Nasceu em uma família de classe média em NY e teve uma infância bem perturbada. Sendo expulso de escola uma escola particular caríssima por ter tido uma possessão demoníaca, trauma que resultou num coma de 4 anos, e só despertou após um elaborado exorcismo.

Russel passou a cultivar novas amizades com um grupo de rappers e musicas de rua. Ele diz que o hip hop salvou sua vida, mas em um tiroteio, todos os seus amigos foram mortos, e apenas ele sobreviveu. Acabou virando um receptáculo para os espíritos de todos eles. Como a maioria possuía talentos musicais, Russel acabou adquirindo as habilidades e se tornando incrivelmente talentoso (e um efeito colateral que deixava os seus olhos brancos).


Noodle

É a mais jovem da banda e a ultima a ingressar nela. É a mais centrada dos integrantes, e tem uma ótima relação com todos da banda. Principalmente com 2-D, da qual nutri um vínculo “zen”.

Ela não sabe nada do seu passado, mas com o passar do tempo (e albuns) ela descobre cada vez mais sobre si mesma. 




O primeiro álbum foi lançado em 2001, com o single: Clint Eastwood, um sucesso absoluto, seguido de outros do álbum. Após uma turnê de 11 meses pela America do Norte, a banda fez uma pausa de 6 meses em Los Angeles, onde eles criaram um projeto para estrelar um filme, mas que não deu certo graças as desavenças de Murdoc com os diretores. 

Nessa época a banda entrou em hiato, para os integrantes da banda "respirarem".

Período de hiato

 

E então com o sucesso do primeiro álbum e de sua turnê, Gorillaz agora alcançou o nível das estrelas, decidindo tirar umas férias e ficar um tempo em uma mansão em Hollywood pra pensar sobre o futuro, porque é isso que estrelas da música fazem. Mas a combinação de um cara egocêntrico nível MIL como Murdoc e os ‘’confortos’’ de Hollywood tinha tudo pra terminar em desastre.  E foi isso que aconteceu. De repente Murdoc que agora se achava um deus do rock do nível de Elvis, Bowie e Jagger, ficou obcecado com a ideia de um filme estrelando o Gorillaz.

Mas o projeto deu errado, primeiro porque o diretor contratado era um maluco que mudava a direção do filme toda hora, e depois porque Murdoc teve a genial ideia de que a própria banda deveria escrever o roteiro do tal filme. Eles se trancaram, (na verdade foram trancados por Murdoc) em um quarto por um longo tempo para tentar criar alguma coisa, mas isso só causou foi muita tensão interna entre eles, ao ponto de Murdoc tentar matar 2D estrangulado depois de ouvir algumas de suas ideias imbecis, e só parou quando Russel o deixou inconsciente. Isso foi demais para a banda, e eles se separaram. 

Por enquanto.

E então cada um foi para um lado. Murdoc foi para o México aproveitar o sol, Tequilas, mulheres e episódios do Chaves, (tá, esse ultimo eu inventei... ei, é possível...) mas pagou por todas as comodidades com cheque sem fundo e foi parar na cadeia. Russel ficou perdidão com o fim da banda, e perambulando pelas ruas de Los Angeles, se deparou com uma figura encapuzada chamada Grim Reaper, que por algum motivo exorcizou o espírito de Den, (aquele azul loucão) de dentro de Russel  e tanto Grim Reaper quando Den sumiram... deixando Russel ainda mais confuso... e pra dizer a verdade meio lelé.

Eu não o culpo...




Já 2D teve um destino menos maluco, ele resolveu voltar para a casa de seu pai na Inglaterra e começou a ajudar o velho trabalhando em um parque de diversões. Apesar de isso parecer um donwgrade para uma estrela do rock como ele, na verdade 2D passou os melhores dias de sua vida trabalhando nesse parque, era como voltar aos velhos e bons dias do passado, mas com a experiência de um adulto, o lugar perfeito para ‘’respirar’’ depois da pressão com o Gorillaz.

Noodle também voltou pra sua terra natal, não pra reviver o passado, mas para descobri-lo. Pois é, a japinha nanica é um mistério até pra ela mesma. Com toda aquela pressão na banda e atormentada com pesadelos estranhos envolvendo bases militares, ela decide que essa é a melhor hora de descobrir quem diabos ela é, afinal. Mas apesar de passar um bom tempo entre Tokyo, Kyoto e Osaka, ela não consegue descobrir nada, e quando estava prestes a desistir um ‘’milagre’’ acontece. Dentro de um mercado de peixes ela se depara com a palavra ‘’Ocean  Bacon’’ e por mais maluco que isso possa parecer, a palavra faz com que todas as suas memórias voltem instantaneamente.

O Chef do mercado de peixes, Senhor Kuzyo, explica para Noodle que essa palavra é um código de segurança criado por ele para ativar as memórias dela, quando fosse preciso. Noodle fazia parte de um projeto ultra-secreto do governo do Japão, um grupo de crianças criadas e treinadas para serem armas de guerra.  Mas quando o governo percebeu que as tais crianças eram mais perigosas do que se imaginava, se cagaram de medo e decidem eliminar todas elas. Para proteger Noodle, Senhor Kuzyo — que era o mentor dela, responsável em ensina-la artes marciais, computação, linguagem, enfim, tudo pra torna-la foda — se aproveitou do talento natural dela pra música e a enviou por FedEx para o Gorillaz na Inglaterra, mas antes apagou toda sua memória. Ele esperava que dentro de uma banda longe do Japão ela ficaria segura... até porque em uma banda é o ultimo lugar que vão procurar uma ‘’máquina de guerra’’, faz sentido.

Aliviada por descobrir e relembrar quem ela é, Noodle retorna ao único lugar que ela realmente já sentiu ser sua casa: o Kong Studios. Mas a mansão/estúdio estava abandonado há muito tempo, e o que ela encontrou lá vai deixar essa história ainda mais maluca.

Ela encontrou... ZUMBIS!




Morte, pragas, e zumbis perambulando pelo já antes sinistro estúdio. Mas felizmente, ela agora sabe que foi criada pra ser uma arma militar, então o que seria meros zumbis pra ela? Além do mais, Noodle descobriu lugares secretos nunca explorados no estúdio (até porque são secretos) como um bunker subterrâneo com um traje anti-zumbis e um FUCKING LANÇA CHAMAS. Das duas uma: ou aquele lugar ficar infestado por zumbis era algo recorrente em um passado distante, ou ter achado esse equipamento foi muito conveniente para Noodle. Seja como for, armada até os dentes, Noodle consegue fazer uma limpa no caminho e achar a fonte da praga: a sala de TVs.

Basicamente, os zumbis eram manifestações corpóreas de toda a programação de merda que estava passando nas TVs. Reality Shows, programas de celebridades, programas sensacionalistas e inúteis, enfim, toda essa merda estava espalhando negatividade como se fosse uma espécie de vírus e criando, as tais criaturas.  Demorou 6 meses para Noodle conseguir eliminar todos os zumbis de dentro do estúdio, mas ela sabia que não era suficiente, afinal a fonte da praga estava ali, espalhando uma tempestade de alienação pelo mundo todo. E ela precisava fazer algo.

Demon Days

 

 

Noodle percebe que ela poderia trazer uma luz para toda aquela escuridão, e não precisava ser uma arma militar ou algo parecido pra fazer isso, sua melhor arma para espalhar a mensagem que ela queria pra o mundo todo era óbvia: a música. Noodle começou a trabalhar sozinha e isolada no estúdio, compondo melodias, escrevendo letras, enfim, criando demos do que poderia se tornar uma espécie de resistência a toda aquela porcaria que estava se espalhando pelo mundo.

‘’Eu precisava fazer algo que funcionaria como um sinal para os outros, que traria o bem e a luz de volta ao mundo, parar equilibrar toda aquela escuridão. Era importante acender a tocha pelas almas abandonadas’’ — Noodle

 Mas por mais que ela tivesse idealizado as demos, ela sabia que não poderia fazer sozinha. Ela precisava da ajuda de seus amigos. Ela precisava do Gorillaz de volta.

Pra sorte dela os seus amigos chegaram a mesma conclusão, no fundo eles estavam doidos pra voltar pra banda. Russel ficou ainda mais perdido sem o espírito de seu amigo Den de dentro dele, mas ao mesmo tempo teve um ‘’boost’’ de criatividade e ainda chegou a um pensamento parecido com de Noodle de que o mundo estava envolto em escuridão, e ele queria ilumina-lo — pelo menos um pouco — através da música. 2D mesmo feliz trabalhando no parque, correu imediatamente para o Kong Studios depois de receber uma mensagem de Noodle dizendo que criou umas demos. Murdoc conseguiu escapar da cadeia criando uma espécie de ‘’réplica’’ dele pra enganar os policiais.

Finalmente os quatro Gorillaz se reuniram novamente no Kong Studios, acertaram as desavenças e estavam prontos para um novo álbum.

Essa é a estátua do demônio sumério Pazuzu, que é venerado advinha por quem? Murdoc, claro, ele tem até mesmo um cetro com a cabeça do tal demônio.

Todos os membros eram importantes para esse novo trabalho, mas é inegável que Noodle era o centro de tudo dessa vez. Pra ela não era apenas um álbum, e sim  uma espécie de missão. A ideia era criar um álbum mais coeso que o primeiro, em volta de um único tema, com cada música servindo como parte de um todo. O tema do álbum seria uma ‘’viagem através da escuridão para encontrar a luz dentro dela’’ ou algo assim. Um ‘’otimismo sombrio’’, Noodle definiria depois.

Talvez como uma simbologia de ‘’escuridão e luz’’, ela resolve chamar Danger Mouse como produtor do álbum, o cara que foi responsável por criar o ‘’Grey Album’’, remix que mistura o White Album dos Beatles e o Black Album do Jay-Z. Além dele, Damon Albarn também retornou para ajudar (até demais, segundo Murdoc) além de outros colaboradores, como De La Soul, Martina Topley-Bird, MF DOOM e muitos outros. A intenção por trás de tanta gente assim segundo Noodle, era explorar diversas culturas através das músicas.

Assim nasceu o segundo álbum do Gorillaz, Demon Days.


Lançado em 2005, o álbum fez um sucesso imenso, mesmo com um tom mais sombrio e sério que o anterior, a identidade dos Gorillaz ainda continuava ali, e músicas como DARE e Feel Good Inc. marcaram tanto quanto Clint Eastwood do primeiro álbum e se tornaram clássicos instantâneos. Eles inclusive inovaram na hora de fazer a turnê .Ao invés de uma turnê comum com shows em palcos e blablabla, eles resolveram fazer uma turnê virtual chamada Demon Detour, viajando através dos EUA e tocando ao vivo nas estações de rádio pelo país. Era um meio que eles encontraram de passar sua mensagem e seu som sem terem as complicações de uma turnê comum (apesar das viagens de busão continuarem uma merda).

Só que de repente começaram a sofrer ataques por todos os lados. Um carro estranho seguia o ônibus deles por todo lugar, um sniper misterioso tentou mata-los, houve explosões em algumas estações de rádio e até mesmo helicópteros começaram a ficar na cola deles. Era óbvio que o Gorillaz viraram alvos de ‘’alguém grande’’ por algum motivo, mas ninguém sabia quem.

Talvez essa ''missão'' da banda em combater a alienação e "zumbificação" da sociedade tenha chamado muita atenção. Eles até lançaram um single chamado ''Rock It'' (música que não estava no álbum Demon Days) como um ataque direto aos ''falsos ídolos'' espalhados pelo mundo, com o clipe mostrando várias celebridades vazias e imbecis em forma de zumbis repetindo ''blablabla''.


Essa campanha continuou com o concurso de talentos ''Search for a Star'' que visava encontrar de forma não competitiva (muito diferente dos concursos de talentos espalhados pela TV) talentos de verdade pelo mundo todo.

No entanto também é muito provável que os ataques que a banda sofreu durante a turnê tenha sido obra dos japas que criaram Noodle, eles talvez tenham encontrado ela — a única criança daquele projeto ainda viva — através do sucesso da banda e estavam tentando mata-la. O que mais reforça isso é a tragédia no clipe de El Manãna, um dos singles do álbum Demon Days.

A merda começa quando o clipe foi idealizado por ninguém menos que Murdoc. A ideia dele era usar a ilha flutuante do clipe anterior, Feel Good Inc... mas agora com a ilha sendo bombardeada por helicópteros! E com a Noodle na ilha!

Pois é.

O plano era que ela saltasse de para-quedas pouco antes da ilha ser atacada, mas algo deu errado. Os helicópteros atacaram pra valer, destruíram a ilha e Noodle desapareceu, só o que acharam foram pedaços do seu para-quedas. Não se sabe o que aconteceu ao certo... dizem que o ataque foi feito pelos japas, que se infiltrara no desenvolvimento do clipe e tentaram matar Noodle, mas nada é confirmado.

Tudo o que se sabe é que Noodle desapareceu... e que talvez estivesse morta.


Rumo a Plastic Beach:


Em 2009, o "grupo" (entre aspas pois é provável que nem foram eles que se pronunciaram) reaparece na Rádio em janeiro, apenas para avisar que eles estavam em tempos de incoerência, e Deus sabe o que diabos ia ocorrer nesse tempo. Muita coisa aconteceu, e em Junho de 2009 nas ruínas de um já destroçado Kong Studios, e no meio da baderna, um bilhete e um convite são encontrados, e de acordo com o bilhete, Murdoc planeja fazer uma "Ultima grande festa" cujo local se encontra em Plastic Beach, uma ilha composta de apenas plástico e lixo que fica distante de qualquer outro lugar na Terra. Nesse tempo é revelado também que 2D foi sequestrado em seu AP, e ninguém sabe dizer quem foi o responsável por isso.

Mas o que aconteceu antes da chegada em Plastic Beach? De uma coisa nós sabíamos, Gorillaz estava voltando... 

Mas e aí? 

Em uma entrevista, Murdoc informou que Noodle morreu mesmo durante as gravações na ilha do moinho de vento, durante esse tempo ele disse que tentou viajar até a parte mais profunda do inferno para conseguir traze-la de volta, mas infelizmente não conseguiu — até porque, foi revelado que essa tentativa de resgate não passou de uma bebedeira violenta de Murdoc, tão fodida que ele acreditou mesmo que foi para o inferno —  mas nem tudo foi perda de tempo. Murdoc tentou encontrar alguma coisa no meio da bagunça, e conseguiu achar "alguma coisa" que lhe permitiu arrancar uma amostra do DNA de Noodle. E isso serviria para "trazer ela de volta" de alguma forma.

Bem, Murdoc entrou em várias encrencas, primeiro porque depois de várias tretas, o Kong Studios foi por agua a baixo, ele decidiu queimar o estúdio para conseguir uma grana do seguro, já que ele tinha um plano maior em mente, ele não tinha nada mais a perder. Depois ele tentou um negocio com uma organização misteriosa e mortal chamada de Black Cloud, que também foi responsável por sua ideia de fuga, já que os mesmos planejavam matar ele depois de ter alcançado um vasto território de negócios no mundo.

E disso um monte de tretas começaram a aparecer na vida de Murdoc. Foi nesses tempos aí que o rapaz começou a fazer acordos com facções piratas, demônios do inferno e etc. Aí o "Rei do Mundo" não teve escolha se não fugir, e o lugar que ele iria é tão "fora do mundo" que nem mesmo o Google Maps seria capaz de achar, era um lugar onde somente ele conhecia, e lá, ele poderia começar outro plano, ter um novo lar, lançar mais um CD, porque não? Sim, esse lugar era Plastic Beach, um polo de inacessibilidade, um 'ponto nemo'.

"Algo que irá fazer Demon Days parecer um aquecimento" — Disse Murdoc, entusiasmado com o novo projeto.

O Caminho para Plastic Beach:


Com tanta treta envolvendo Murdoc, claro que o caminho para Plastic Beach não seria nada fácil. Murdoc então pega toda a grana que conseguiu, e faz uma fuga violenta a barco antes que os Black Clouds lhe alcançassem. Quando essa pequena fuga terminou, Murdoc com o DNA de Noodle, cria uma Cyborg com a aparência e habilidades (na guitarra) semelhantes a de Noodle, o único "problema" é que a cyborg era muito violenta — algo que provavelmente foi proposital, já que Murdoc precisava de algum tipo de "guarda costas"— e ela aparentemente, tem grandes habilidades no manuseio de armas de fogo. Junto deles está 2D, que provavelmente foi encontrado no caminho da viagem de Murdoc, e não teve escolha se não partir para a viagem junto de seu grande amigo (ironia tá comendo solta aqui) para a Plastic Beach, acreditando que quem o sequestrou foi o próprio Murdoc, o que não é bem verdade.

Quem sequestrou 2D foi uma entidade conhecida como "Boogieman", o porque do sequestro é um mistério e em torno disso teorias são formadas, alguns dizem que Murdoc resgatou 2D das garras dele, outros dizem que foi um acordo entre Murdoc e o mesmo para ter 2D colaborando com ele, mas ainda é um mistério... E também é um pouco cedo para falar a respeito do personagem, então vamos prosseguir.

Dirigindo um Camaro SS (que provavelmente foi adquirido com a grana violenta que Murdoc descolou) apelidado carinhosamente de Stylo — que também é o nome de uma das musicas deste novo álbum — Murdoc, 2D e Cyborg Noodle vão para a estrada, rumo a Plastic Beach, com a velocidade fora do normal, um policial gordo tenta prender a turma, mas Cyborg Noodle manda chumbo dele, que faz o mesmo perder o controle do carro. Na mesma estrada, uma armadilha ainda mais perigosa espera, uma armadilha que (supostamente) foi armada pela Black Clouds para foder Murdoc de uma vez por todas... esse alguém é ninguém mais ninguém menos que Bruce Willis, dirigindo um carrão e segurando um armão! Murdoc assim que percebe que é ele, fica com o cu na mão, e justamente nessa hora Cyborg Noodle começa a pifar, parando de funcionar de vez (rimei pra caramba aqui, sem querer!).



Por pura sorte, eles conseguem despistar Bruce Willis, caindo de um precipício indo direto para o mar, o então Stylo se transforma em um submarino, e é daí que o Murdoc e 2D seguem seu caminho para o fim do mundo, seguem para Plastic Beach, junto com uma turma que foi summonada pelo próprio Murdoc para fazer o novo projeto. 

Entre eles estão os artistas: Bobby Womack, Lou Reed, Mos Def, Snoop Dogg, Paul Simonon, Mick Jones, os rappers Kano e Bashy e muitos outros. 




Chegando lá — com a névoa em torno do lugar desaparecendo  eles se deparam com o misterioso Boogieman com um peixe-boi, e sem perder tempo (e um pouco assustado) Murdoc ordena a androide Noodle atirar na criatura, fazendo ele puxar o peixe-boi para dentro do mar, e Murdoc e sua trupe finalmente alcançam a ilha do fim do mundo, Plastic Beach, onde ele além de descobrirem inúmeros mistérios sobre o mundo, começariam o projeto mais ambicioso do grupo até então.


Mas e o Russel? O que diabos aconteceu com ele? 

Russel depois dos acontecimentos trágicos de Demon Days, Russel sumiu do mundo, e Murdoc na ausência dele decidiu usar uma maquina para substitui-lo como baterista da banda. E bem... de alguma forma Russel soube da existência de Plastic Beach e provavelmente sabia que Murdoc estava indo para lá, talvez ele tenha descoberto isso de alguma forma mística, mas quem sabe? O grandão então vai até uma doca de pesca, e pula para o mar em direção a Plastic Beach... SIM, O GRANDÃO VAI ATÉ A "PQP" DO MUNDO NADANDO! Ele deve ser tão inumano quanto a Noodle.

No caminho até lá, Russel nadou em tanta poluição, e inalou tanto isso, que seu corpo começou a ser modificado fazendo o grandão do Russel ficar AINDA MAIOR, e como vocês perceberam o caps, não foi pouca coisa.

É nesse mar todo que nos é introduzido uma misteriosa garota mascarada e de cabelos azulados, navegando nos mares molhados e pescando batatas. E logo em sua intro, o navio está sendo atacado por aviões de guerra, a mesma pega a sua arma, vai até as docas e tenta acabar com eles... o que não da muito certo e o navio é bombardeado, fazendo a garota abandonar o navio e ir para o alto mar em um barquinho salva-vidas.



E é aí que ela e Russel se encontram. Ele no caminho de Plastic Beach, a resgata e juntos eles vão para a ilha misteriosa. 

Mistério em Plastic Beach:

Aparentemente, Plastic Beach é um lugar muito estranho, lá na ilha, Murdoc acha um livro chamado "Plastic Beach" um livro com 13 capítulos. do 1 ao 12 detalha muito bem o Big Bang, a historia da religião, magia, a descoberta do fogo, a criação das armas de fogo, entre muito outros assuntos sobre o nosso mundo mesmo. Os capítulos relatavam um começo de algo, e a queda da mesma. E não somente isso como também falava sobre os ancestrais diretos de Murdoc, ele aparecia em cada era e via o começo e o fim da mesma, e perto do fim do livro, Murdoc leu algo que começou a lhe atormentar, lá estava escrito sobre a sua chegada em Plastic Beach no nosso tempo atual. O ultimo capitulo nomeado de "The End of Days" (O fim dos dias) estava arrancado, a pagina sobre o futuro infelizmente foi arrancada.

Murdoc começou pensar se aquela ilha era uma espécie de Atlantis Apocalíptica, muitas questões foram levantadas, e muitas continuam vagando pelo mar de plástico.

(Informação retirada do livro Gorillaz: Plastic Beach Storybook)


O Ataque de Boogieman:


Boogieman retorna com piratas e aviões, aparentemente aqueles aviões que atacaram a garota misteriosa. Falando nele, acho que está na hora de entrar mais em detalhes sobre o personagem.

Boogieman é — de acordo com Murdoc — a essência de todo mal do mundo em uma só pessoa, ele na teoria seria um demônio, e Murdoc teria feito um acordo com ele, ele daria muita fama para Murdoc e o mesmo lhe daria almas de inocentes em troca, porem, Murdoc como é fujão, antes dele ir cobrar o rapaz deu um daquelas suas fugas antes que ele aparecesse, e agora, ele quer destruir Murdoc e toda sua trupe... mas algumas de suas ações ainda são um mistério, como por exemplo, ter sequestrado 2D mas não ter feito nada demais com ele. Outra teoria é que o mesmo seria um membro da organização Black Clouds que o Murdoc prestou serviço, já que no clipe Stylo (sim, ele aparece) ele leva a alma de um policial, e logo em seguida grandes nuvens negras pairam no céu. Isso sem contar que ele summona piratas e aviões que também seriam da Black Clouds.

Enfim, ele começa a atacar o novo estudio do Gorillaz, e o grupo trava uma guerra contra a turma dele, é nesse momento que Russel e a garota misteriosa aparecem para se unir ao grupo e botar um fim no conflito, a garota revela seu rosto no meio do conflito, e ela é ninguém mais ninguém menos que a própria Noodle! Que sobreviveu a destruição no clipe El Mananã.


Ela voltou adulta, com uma cicatriz no rosto e pronta pra fuder! Gorillaz se reúne novamente!

Mas as forças da Black Clouds vem ainda mais bombásticas, e eles começam a bombardear Plastic Beach por inteira, Russel tenta dar um jeito de tirar todos dali, Cyborg Noodle começa a pifar de novo e tenta matar Murdoc (que estava escondido durante o conflito todo só para ressaltar) mas é desativada por Noodle, Russel então resgata Noodle e dá um fora do lugar. Boogieman tem seu destino selado com o seu polo oposto conhecido como "Evangelist" — esta por sua vez, é uma criatura tão misteriosa quanto o próprio Boogieman — e Murdoc permanece na ilha, e é dado como morto depois de toda a explosão do local... mas como é ligeiro, ele coloca um "fake" Murdoc no lugar dele para distrair os Black Clouds, para que eles se explodam junto com o lugar.


O refugio e a queda:


Plastic Beach foi um sucesso, assim como os discos de Gorillaz, a ideia ousada de Murdoc fez bastante sucesso aparentemente, e a musica "On Melancoly Hill" foi o single de maior sucesso do album. Mas depois de tudo que eles passaram, depois do que ocorreu com o novo estúdio, o que poderia acontecer com a banda?

Depois das paradas, Murdoc escapou em um barquinho, e começou a gravar um rádio show para celebrar os 10 anos de Gorillaz. E então é ai que vem o disco "The Fall", onde nada mais é que um álbum for fun, que foi criado durante as tours de shows, ele foi disponibilizado para os fãs de Gorillaz no site, e não havia planos de lançar o álbum fisicamente.

Bem, o grupo foi visto pela ultima vez em uma casa em Londres, onde lá a turma se encontrava depois de algo que parece ser uma ressaca foderosa (o vídeo da musica To Binge, ou a bebedeira pelo que vi em traduções, mostra garrafas de cerveja e outras paradas numa pia... se ligar os pontos, pode ser que essa parada seja depois desse clipe). E os membros se encontram todos exaustos, até mesmo o Boogieman aparece, apesar de não ter ideia do que diabos ele tá fazendo ali (puta mistério esse bixo).

Dare on TV!
No fim da saga, 2D recebe uma carta de despejo da residência, e enquanto ele caminha para fora da casa, a câmera muda para os céus, e a ilha do moinho de vento se encontra ancorada na mesma residência em que eles se encontram.

Considerações finais

E então, galera, lembram sobre o que eu disse no começo que esse artigo seria feito de um jeito diferente? Pois é. Ele foi feito não por um, mas por vários autores do blog. Em sequência no texto, eu (Flames), Uor e Vann.

Em comemoração das mais de TREZENTAS MIL visualizações do nosso querido blog, nós nos desdobramos e conseguimos criar esse artigo de uma forma incomum até então, mas que com certeza voltaremos a fazer, porque foi "DAORA" demais esse trampo. Mesmo que nós dificilmente concordemos 100% uns com os outros, acabamos chegando num "consenso" e se respeitando no processo, algo raro, eu diria, e de alguma forma as opiniões até acabam se complementando.

E aqui está a opinião da geral galera:

Uor: Gorillaz marcou minha infância demais, lembro que passava tardes assistindo MTV (numa época que prestava), e viajava naquele clipe da 19-2000, nem imaginava que aqueles carinhas tinham até mesmo um plot por trás deles, e que o criador da banda e vocalista era o mesmo do Blur! E falando nele, eu acho insano como o Damon começou o projeto do Gorillaz meio que "descompromissado", mas que cresceu ao ponto de, pelo menos pra mim, ser o seu melhor trabalho.

O primeiro álbum da banda pra mim é o que mais demonstra isso, é basicamente um monte de ideias e misturas musicais, mas que mesmo assim conseguiu despretensiosamente criar uma identidade musical pra banda que é perceptível até hoje. Eu acho que parte dessa identidade é graças ao próprio conceito da banda.

Pode parecer que não mas, os personagens são fundamentais para  o som do Gorillaz, o jeito que Damon canta mesmo — bem diferente do Blur ou de seus outros projetos — meio que interpreta a personalidade do personagem 2D, e eu acho isso sensacional.

Mas ai veio o meu álbum preferido deles, Demon Days, e o que era antes uma mistura de ideias despretensiosas, se tornou mais... sério. Damon decidiu criar um álbum conceitual com uma temática única. Se o primeiro álbum era um monte de músicas legais separadas, no segundo álbum as músicas meios que se completam, pelo menos tematicamente. A ideia de Damon é de que o tema do álbum fosse simbolicamente uma ''viagem pela noite'', o que quer dizer explorar o lado sombrio do nosso mundo. E de fato, apesar de ainda manter a sonoridade característica da banda, o álbum é bem mais sombrio que o primeiro, já da pra perceber isso logo no inicio nas Intro e Last Living Souls, essa ultima é uma das músicas mais underrateds do Gorillaz, pra mim uma das melhores.


A maioria das músicas são bem críticas contra várias merdas do mundo, como guerras, poluição, alienação, enfim, realmente é uma viagem pelo lado sombrio do mundo, mas não no sentido de conformismo, e sim no sentido de esperança. E a música que define isso são as duas finais (que pra mim são uma só) Don't Get Lost in Heaven e Demon Days, as minhas preferidas de toda a banda. Demon Days fecha o álbum perfeitamente, ela é justamente o oposto da Intro/Last Living Souls, é o fim da noite e o começo de um novo dia, uma mensagem de que apesar de todas as merdas, ainda há esperanças. Com certeza a melhor letra da banda, vale a pena escutar essa maravilha.




Vann: Difícil é falar sobre o quanto eu gosto deles. Eu me lembro como se fosse ontem, eu estava deitado na cama assistindo alguma merda na globo, e daí, de repente... BUUUM! Tava lá, um clipe animado estranhão, mas sensacional. Até hoje não sei porquê diabos passaram o clipe lá, mas foi demais, e a musica não saia da cabeça, de jeito algum.

Eu já curtia a música deles há um tempo, mas a grande mudança viria só nos tempos atuais, onde pela primeira vez um fdp viciado em KoF que pega fogo me apresentou a musica Empire Ants, e tudo mudou depois daí, decidi ouvir o CD Plastic Beach todo, e a partir disso, meu vicio na banda cresceu de uma forma que eu nunca imaginaria. Essa musica foi realmente o catalisador disso tudo...
Sz
Não manjo tanto de falar de musica, mas puta que paringa!!! Damon Albarn merece uma viagem pra lua por ter criado essa galera, sério. O som de Gorillaz é diversificado, maravilhoso e muito, muito único. Como o Uor disse, talvez o fato deles serem uma banda virtual bem construída ainda ajude no fator "único" deles, uma banda sem igual, e melhor que muita banda "real" por aí. Apesar de todo mundo manter a mesma opinião sobre Demon Days, Plastic Beach ainda consegue me fascinar mais. Talvez mais pela vibe "open sea" que ele tem, que é uma parada que eu admiro demais, pois as melhores experiencias musicais que tive foi com esse estilo de som (apesar de ter tido uma viagem astral com Demon Days...).

Acho que não tenho mais nada a dizer, apenas: OUÇAM O DISCO TODO! As participações especiais nesse CD são as melhores de todas, aqui temos a abertura épica com o rapper Snoop Dogg no vocal "Welcome to the World of Plastic Beach". O vozerão PODEROSO de Bobby Womack que canta "Stylo" e "Cloud of Unknowing" e já que estamos falando dele, que essa grande voz descanse em paz, pois Bobby infelizmente veio a falecer ano passado.

E claro, a minha participação favorita, que é a da Little Dragon – que dá vida a Noodle nesse disco. Ela combinou muito bem com a personagem, e tomara que ela continue sendo a voz da Noodle.


E não vamos esquecer de agradecer Jamie Hewlett por aqui, sem sua arte, Gorillaz não existiria!


Flames: Acho que como muita gente, comecei com Gorillaz como um garoto se divertindo com a animação e a com a ótima música, lá em 2001 em algum top musical extinto da Band. Dali pra cá eu não deixei de acompanhar a banda. É incrível como desde moleque sou fascinado com a música e com o clipe de Tomorrow Comes Today. Acho que é o meu favorito entre eles, essa vibe de luzes urbanas tende a me hipnotizar.
Sem falar da letra que me inspira demais.

Concordo com os parças do blog em absolutamente tudo sobre a banda, mas devo dizer que Plastic é o meu "protegido". E mesmo com toda a nostalgia em volta de todos os albuns, possuo uma lembrança especial com esse em questão. Lembro de estar no carro, no banco de trás voltando de viagem, depois do carnaval e ao por do sol, olhando a paisagem de praias, e ouvindo a maravilhinda Empire Ants. A sensação dessa lembrança é incrível pra mim, e o carinho que tenho por essa música é imenso, graças à isso, e claro, a belezura que ela é.

Eu adoro essas imagens randomicas do The Fall
Outra música que vale citar é Amarillo, de um album que eu considero "semi-side", mesmo oficialmente não sendo. Não gosto tanto dele de forma geral, mas ele é responsável por essa lindeza, e isso já é mais que o suficiente:


Pois é galera, quero agradecer pelas mais de TREZENTAS MIL VISUALIZAÇÕES no blog, pela pagina do face que cresce a cada dia e pelo o que estamos conquistando com esse projeto todo. E é aqui que finalizo esse artigão. Maioria das informações aqui foram tiradas de pesquisas em livros, entrevistas e a internet, claro. Somos fãs e resolvemos fazer esse artigo porque sim. Sugestões e rages são sempre bem vindos.

E lembrando que Gorillaz nos aguada em 2016! Ou 17, quem sabe...


 Até dia MIL procês.

Postar um comentário

[facebook]

Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget