A Joia que não pode ser roubada - Um Review de Chrono Cross



Esse é o jogo que mudou minha perspectiva sobre essas obras. Foi algo que estranhamente me prendeu na época e eu não entendia o porquê, mas nenhum outro jogo havia feito aquilo comigo. Só sei que o joguei incontáveis vezes.  

Estava totalmente submerso naquele mundo paradisíaco. Diabos, logo na tela de apertar o Start o jogo já havia me fascinado! Era como apertar o start e entrar num paraíso, ao menos eu acho que é assim que eu me sinto hoje em dia.



Bom, Chrono Trigger foi desenvolvido pela "Dream Team", uma equipe que tinha uma caralhada de gente boa envolvida, só podia sair algo muito especial de uma parceria gigantesca dessas. Vendo por um lado, ele parece um tipo de divindade suprema, e pra muitas pessoas ele é exatamente isso. Chrono Cross teve a difícil missão de ser a continuação desse jogo, e muitas pessoas simplesmente não puderam aceita-lo pois ele se distanciava de várias coisas do anterior, além de não controlamos os mesmos heróis do jogo passado.

É como um jogo novo, um sucessor espiritual de Chrono Trigger, mas a verdade é que ele é uma continuação direta. É isso isso ai galera, a Squaresoft (RIP) foi ousada e tentou esse movimento maluco, e mesmo que metade da Dream Team não tenha feito parte do desenvolvimento de Chrono Cross, os que restaram tentaram o seu melhor para criar um jogo ás alturas. Não sei bem qual foi o maior objetivo com Chrono Cross, eu não acho que tenha sido o mesmo que foi com CT, mas conseguiram criar algo único, um pouco distante do antecessor, mas ainda assim remete o mesmo em alguns aspectos e apresenta novos aspectos de uma forma sem igual.

E olhem só, esse é o jogo em que Yasunori Mitsuda compôs as melhores musicas da vida! 


Um dos pontos mais criticados de Chrono Cross é o fato dele não ter os personagens principais do jogo anterior e ter feito algo "cruel" com os mesmos neste futuro extremo de CC, mas pra mim esses fatos são algo que dão um charme enorme no enredo, mostrando que as vezes não existe final feliz no fim das contas.

Mas isso é assunto pra outra hora. Aqui eu só quero falar do jogo e unicamente sobre ele. Suas mecânicas, gráficos, trilha sonora... essas coisinhas! E claro, falar o que esse jogo significa pra mim. 

Vamos ao REVIEW!


Introdução rápida ao enredo

Chrono Cross apresenta a jornada de um garoto com naipe de pescador chamado Serge, onde em um dia sua namoradinha chamada Leena pede para ele fazer um colar com escamas de Komodos, (criaturas encontradas em uma praia próxima). O nosso herói aceita presentear a namorada e no fim da missão, ambos se encontram em Opassa Beach.

Mas, durante o encontro Serge começa a se sentir estranho, o mar avança no protagonista e de uma forma confusa, ele acaba indo pra uma dimensão alternativa da sua, dali ele começa uma jornada para voltar para o seu mundo, mas as coisas não são tão simples assim, e a trama vai ficando mais complexa a cada hora.

Serge acaba parando em uma jornada egoísta com uma ladra chamada Kid — que faz parte de um famoso grupo de ladrões, os Radical Dreamers, e busca um artefato poderoso conhecido como Frozen Flame. E através disso, acontecem as revelações sobre as verdades que envolvem essa e a outra dimensão, junto dos respectivos personagens. Isso num jogo que você pode passar umas 60 horas ou mais (ou menos se for viciado que nem eu) jogando e descobrindo tudo, mas isso é só a ponta do Iceberg. 


Chrono Cross nos mostra a ideia de Dimensões Paralelas, diferente do antecessor que apresenta temas de viagens temporais. Não são temas tão distantes, e como o foco de Chrono sempre foi explorar essas loucuras, dimensões paralelas é algo muito bem vindo.

Em Chrono Cross temos também um computador insano e obcecado, e que ainda por cima controla e supervisiona o destino das pessoas no mundo, panteras assassinas e até mesmo um espaço isolado do tempo, onde todas as linhas temporais destruídas são jogadas. Chrono Cross tem inúmeros temas para serem abordados, e todos extremamente interessantes, mas vamos nos manter na superfície do mar!

Gameplay Dimensional

Em Chrono Trigger, o jogo se passava durante várias eras do continente de Zenan ou no continente do Oeste, já em  Chrono Cross, ele passa num pedaço de mundo paradisíaco chamado El Nido, outro continente no planeta de Chrono.

Mapa mais lindo do mundo
A jogabilidade do jogo é ótima na minha opinião, aqui você tem um dos mapas mais lindos já criados em um jogo, onde você só pode explorar livremente até certo ponto, além de andar pelas terras, em certa hora você vai estar navegando nos mares de El Nido.


Aqui três personagens seguem Serge, e pode ser qualquer um que você recruta no decorrer da jornada, você só precisa usar um artefato chamado "Teleport" que lhe faz poder mudar pra qualquer personagem recrutado, apenas podem ser usados nos mapas e nos save points que são curiosamente conhecidos como "Records of Fate" — estranhos objetos triangulares espalhados pelo mundo, no jogo ele guarda e coleta informações sobre as pessoas e lugares em El Nido.


E já que eu falei do Teleport, Chrono Cross tem um sistema de "Relics" onde é basicamente um menu de Key Itens que você coleta durante o jogo, e cara, eu passava horas vendo cada um deles, o jogo lhe dá uma explicação do que é e um pequeno "lore" a respeito do mesmo.

Um bom exemplo de relíquia

Como eu disse, Chrono Cross abrange o tema de dimensões paralelas, e o jogo se desenrola nesses mundos, Home e Another World, nesse contexto, vários objetivos e personagens podem ser recrutados durante a jogatina, várias side quests podem ser feitas, e assim vai. As possibilidades com o Home e Another World são bem grandes e divertidas, são o mesmo mundo mas sempre com um aspecto diferente. Um exemplo é Arni Village — a terra do protagonista —  onde em Home World temos uma garota sonhando em ser poeta, em Another World, temos uma garota que simplesmente desistiu de ser poeta, e ainda fala que esse é um sonho abandonado por anos. A namoradinha de Serge, Leena, não reconhece ele, e acha ele um tremendo estranho em Another World, mas decide ajuda-lo na sua jornada no fim das contas dependendo de uma de suas escolhas no jogo, e isso sem falar na melhor parte disso, cada cidade tem uma trilha sonora diferente, enquanto temos uma trilha relaxante que nos faz realmente nos sentir em casa em Home World, temos uma quase com a mesma vibe em Another, é relaxante mas ela te passa uma sensação de confusão e estranheza, são detalhes lindos em torno desse jogo, cada trilha sonora sabe muito bem transmitir a atmosfera do lugar, eles se combinam perfeitamente.

Exemplos

Home Arni Village:


Another Arni Village:



Em dungeons, os monstros aparecem fora do mapa diferente de muitos RPGs que usam o sistema de Batalhas Randoms, onde você simplesmente está andando no mapa e do nada você se teleporta pra tela do modo de batalha. Aqui em Chrono Cross você enxerga os monstros no mapa, e ao encostar neles você entra no modo de batalha, e pra mim isso é muito bom.

Cair de cara ou tentar passar reto no canto do monstro, você escolhe!

Em batalha você tem quatro opções: Attack, Element, Defend, Run Away, acho que três daí são auto explicativas né? Porém no Attack você tem mais três opções, que é 1,2,3 e Element, 1,2 e 3 são a potencia dos ataques, 1 é ataque fraco, 2 é ataque medium, e 3 é ataque forte, em batalha os personagens possuem uma barra de stamina onde isso limita e também aumenta o uso dos ataques e dos Elements, por exemplo, se não me engano o padrão é Sta.7.0, se estiver assim o personagem pode usar Elements e os ataques normais, com o tempo a barra da numeração de stamina vai cair parando no estado de Out -1.0 por exemplo, daí você terá de esperar um tempo até voltar a normalizar ou lançar ataques fracos. Cada um desses ataques aumentam uma "barra de Element" divididas por LVLs, quanto mais você ataca, mais o LVL de Element você aumenta, e claro, Element é basicamente aonde você vai usar magias e itens de cura, mas ai o uso vai gastar a barra de stamina, então pode ser que o personagem fique inútil nesse período de tempo.


Já nesse assunto, Elements é mais um sistema complexo do jogo. Elements são mostrados no jogo como cores, são elas Vermelho, Azul, Amarelo, Verde, Branco e Preto, respectivamente: Fogo/Magma, Agua/Gelo, Terra/Trovão, Vento/Flora, Luz/Cosmos e Escuridão/Gravidade, além de serem as magias do jogo, são também os itens de cura e você pode compra-los em lojas.

Cada personagem tem base em um elemento dominante, por exemplo: Serge é do elemento Branco, então o certo é colocar elementos da cor branca nele, assim as magias podem causar mais dano e os itens de recarregar HP podem recuperar mais, e tem a regra da fraqueza também, se for do Elemento Branco, o personagem vai ter fraqueza ao Elemento Negro, o mesmo vale pro Elemento Negro, e ambos vão causar mais danos em seus ataques. O jogo também tem um sistema de "Field Effect" onde o tem 3 estágios no canto esquerdo superior da tela , o campo vai apresentar uma cor dominante, se a cor do campo for toda amarela, por exemplo, as magias de cor amarela vão aumentar a força e ainda vão aumentar as chances e o dano de um ataque nível 3.

Perceba que quando fica com um (-) na numeração, significa que o Elemento não está colocado em um lugar apropriado, e vai causar menos efeito, caso coloque em um lugar de numeração maior, ele fará mais efeito.

E é assim que a luta flui em Chrono Cross, você começa dando ataques, até encher a barra de Elements e manda as magias na fuça dos monstros, é um sistema que parece difícil, mas com o tempo fica fácil de se acostumar, e quando se pega a manha já eras. Em cada boss você ganha "estrelas" onde ao ganhar uma, aumenta consideravelmente os status dos personagens, exemplo: você ganha mais barras pra colocar elementos, e o HP aumenta consideravelmente, Chrono Cross não tem experiência para distribuir durante o jogo, mas em algumas das batalhas - principalmente nas dos chefes -  os status vão ganhar um bom Up, mas é bom não sair achando que não é preciso lutar nesse jogo, porque é sim e muito.

E falando nas estrelas, com elas alguns personagens também podem conseguir técnicas especiais únicas para cada um deles e elas são muito poderosas, e as vezes as técnicas mais poderosas são obtidas completando side quests de alguns personagens. Assim como Chrono Trigger, em Chrono Cross os personagens possuem inumeras combinações de ataques devastadores entre personagens específicos, variando de dois a três, esses são os tech combos que aparecem no menu de Elements, assim como as técnicas.

Além disso, claro que você vai precisar equipar os personagens durante o jogo, aqui você vai conseguindo materiais pra fazer armas e equipamentos, e assim você dá uma grana pra forjarem os equipamentos pra você, mas não é nada difícil, claro que tem materiais raros e alguns mais difíceis de conseguir, mas nada tão impossível.


O belo paraíso de El Nido



Deixando as mecânicas de lado e voltando a falar do mundo jogo, em El Nido temos vários lugares lindos para se explorar, temos pequenas vilas como Arni, a vila onde o protagonista Serge mora, um lindo lugar calmo e tranquilo, florestas, cachoeiras, lugares misteriosos, templos e por ai vai. Tudo num toque bem único e bonito, Chrono Cross transmite uma beleza sem igual em seus cenários pré renderizados, e eles dão uma toque belíssimo com a trilha sonora divina de Yasunori Mitsuda. Provavelmente é a melhor que ele já compôs na minha opinião.

Graficamente falando, Chrono Cross é lindão pra época, um design de cenários incríveis com criaturas bem originais até, os personagens são modelos em 3D e o cenário é completamente pré renderizado, na batalha dá pra ver ainda mais os modelos dos personagens e dos monstros, além disso, o efeito das magias são muito competentes também, é um jogo lindasso com um dos melhores designs de universo que eu já vi.

Olhem esse lugar pelo amor de Jevis!



No PS1 os desenvolvedores já tinham a possibilidade de deixar a criatividade expandir muito bem, além de Chrono Cross, Final Fantasy IX é um exemplo disso, onde no mesmo se encontra uma dungeon chamada Pandemonium. Essa que é na verdade é original do FF II, mas devido as limitações do console da época, a gente só podia imaginar o lugar de acordo com a descrição dele, que se não me engano dizia que o lugar era uma extensão do inferno no mundo mortal. No FF IX, deu pra explorar mais o que eles queriam com o lugar, mesmo sendo outro jogo.

E em Chrono Cross a produção simplesmente deixou a imaginação fluir, esse jogo tem templos, florestas, mas é tudo nesse padrão "Chrono" de qualidade, cada cenário é diferente um do outro com um "feeling" diferente um do outro, alguns totalmente complexos e loucos, e com a potencia que o PS1 tinha, eles já conseguiam transmitir o que eles gostariam de nos mostrar com perfeição.

Um exemplo de lugar único e criativo em CC é a Dimension Breach, onde andamos por literalmente algo que parece um quadro de Van Gogh.

ouçam a trilha desse fodendo lugar

Dimension Breach é um lugar curioso que fica entre as dimensões, a sua arquitetura é curiosa e totalmente psicodélica, é literalmente um quadro! Eu me vejo colocando isso na parede do meu quarto com moldura e tudo mais... hm.


Lindo, não? Vou falar de alguns lugares do jogo procêis, não todos, só alguns exemplos.

Arni Village:


Terra natal do protagonista Serge, um lugar que eu adoraria viver (é sonho do Flames viver ai, eu to ligado que é) aqui é pacifico sem muitos mistérios, tem sidequests interessantes entre os dois mundos, e não tem vila melhor que essa pra iniciar um jogo.


Já coloquei a ost dela aí

Termina:


A cidade grande do jogo, em Home World, Termina é um lugar dominado pelos exércitos de Porre, já em Another World ela é uma cidade gloriosa dominada por Viper, e o lugar é extremamente movimentado complementado com uma música divertidona.





Shadow Forest:


Uma floresta que se encontra próxima a Termina e que leva aos esgotos de Viper Manor, cheio de criaturas estranhas, e é uma das florestas mais lindas e fascinantes que já vi num jogo.





Trilha Sonora do local.


Viper Manor:


O local onde Kid acredita que o Frozen Flame está, é também o lar dos Acacia Dragons, famosos guerreiros com grandes habilidades, e cara, um lugar difícil de invadir sem duvidas.





Trilha Sonora.



Guldove:



Uma vilazinha que parece um porto, o lugar é totalmente feito de madeira no meio do mar, e tem uns personagens interessantes também. E a trilha da versão de Another World dela é uma que nunca saiu da minha cabeça.


Dead Sea:


Não deveria estar falando desse lugar agora, mas não consigo resistir! É uma das áreas mais curiosas do jogo onde muita coisa do enredo vai ser revelada, mas não consigo deixar o artigo simplesmente sem falar um teco do lugar, ele é totalmente pós-apocalipse e futurista que é algo que me fascina desde sempre.

Trilha Sonora.


A entrada




Outras landscapes:








Tudo isso e mais um pouco graças ao art designer Yasuyuki Honne, responsável pela área criativa, e pelos lindos mapas e cenários do jogo, que ele continue trazendo essas belezas para mais jogos no futuro! (Que não sejam apenas exclusivos de Wii U também, pls)

E como estamos na parte gráfica, como não falar das CGs? Que são tão lindas quanto aquelas que fizeram Final Fantasy ficar são famoso, impossível não ficar fascinado só com a abertura de Chrono Cross, que é uma das melhores que já fizeram na LAIFE.



Já a equipe sonora do jogo é incrivelmente competente, o som das armas, dos ataques e etc, e sem falar na trilha sonora de cada cenário, PRAISE YASUNORI MITSUDA! Que vai ter um artigo dedicado as musicas dele.

Já falei também um pouco da trilha sonora e (um trequinho de nada) de Chrono Cross em um artigo dedicado a algumas das melhores musicas com vocais nos animes e games, quem tiver curiosidade, pode dar um click AQUI e checar (nunca deixaremos de linkar outros artigos aqui!).

 

A trilha sonora tem uma capa linda também, que parece uma fumaça dentro da agua, sei lá, sei que combina muito com Chrono Cross, e poxa, ainda vou comprar essa trilha sonora em disco um dia.

Mais OSTs:
Sim, já mandei umas mil ost já, mas nunca é tarde para mais!







AQUI está um link pra ouvir a trilha sonora completa do jogo, divirtam-se!

UMBILHAODEPERSONAGEM



"I'll kick yer sorry arse so hard you'll kiss the moons!" - Kid


Chrono Cross tem no total de 45 personagens jogáveis e recrutáveis, entre eles um Alienígena com pinta daqueles  Aliens genéricos de filme de comédia chamado Starky, um pequeno dragão chamado Draggy, um cyborgue misterioso, um jovem guerreiro honrado, um velhote que foi um grande guerreiro no passado, um mosca de sopa, um sapato falante, enfim, MIL personagens e MIL backgrounds para eles (e os dois últimos foram piadas).

Como eu já disse, é pouco provável que eles consigam dar profundidade a 45 personagens, mas ainda assim, cada um tem uma característica única, e um background até interessante.

Claro que eu não vou destacar todos os personagens do jogo, mas dá pra entrar em detalhes em alguns que eu gosto, certeza que não vou colocar nem metade dos que eu gosto só pra constar.

Serge:


O protagonista silencioso que vivia numa boa em Arni Village. Há dez anos seu pai sumiu sem deixar rastros, vivendo apenas com sua carinhosa mãe desde então, e como já foi dito, ele acaba parando nas dimensões que lhe envolvem numa bizarra aventura cheia de acontecimentos estranhos.

Kid:

Moçoila linda
Kid é um mistério, tudo que a gente sabe dela é que ela é uma ladra de Another World que tá doidinha para colocar as mãos no Frozen Flame. A bela Kid usa uma microsaia minúscula (e deus queira que ela não esteja usando calcinha) e tem esse jeitão de pirata moleca que eu adoro, fala como uma pirata, e é muito impulsiva, Kid é uma personagem que passou por bons bocados na sua vida, e a verdade por trás dela é muito triste.

Engraçado que apesar de adorar a Kid, eu nunca deixo ela no meu grupo... eu pessoalmente acho ela fraca pacas, mas a personagem é puro amor.




Harle:


Acho que depois da Kid, ela é a personagem mais famosa do jogo. Harle adora brincar com as pessoas (podemos dizer que não de uma forma que elas vão gostar) e tem um engraçado sotaque francês, ela segue Lynx, que pode ser considerado o grande antagonista do jogo, mas como ela mesma diz em certa parte, ela não se importa com ninguém e faz o que bem entender, e além disso, Harle guarda um grande segredo.



Lynx:


Falando no diabo, como não citar este filho de uma trufa? O homem pantera Lynx, foi responsável por uma desgraça na vida de Kid quando ela ainda era criança, destruindo a sua vida, e hoje ambos são grandes rivais. Lynx também procura o Frozen Flame, porém ninguém sabe ao certo o seu objetivo, ele é responsável por um dos maiores "twists" do jogo e é difícil não se surpreender com ele.

As vezes ele dá um medo disgramado...


Leena:
Leena (Another World), que no Home World dizia que era namorada de Serge e era romântica que só, em Another World ela não faz ideia de quem ele é, e graças a isso ela aceita ajudar Serge em sua jornada, porque acha que ele tem algum problema, sua arma inicial é uma panela e isso é muito engraçado, eu acho ela muito fofa, ruivinha dos olhos verdes ninguém resiste.



Glenn:


Glenn (acho que quem jogou Chrono Trigger vai reconhecer esse nome) é um jovem e honrado guerreiro do Arcacia Dragons. Filho do lendário Garai e irmão mais novo do lendário Dario, que hoje em dia tem um paradeiro desconhecido, e é dado como morto, e por isso Glenn vive comprando flores para colocar em seu túmulo. Ele é um dos meus personagens favoritos do jogo e era muito difícil tirar ele da party, só fazia isso quando era obrigatório, tem muita força e com ele podemos fazer a clássica Double Tech X-Slash.

Guile:



Misterioso, enigmático e um poderoso mago, em campo ele corre flutuando, parecendo um certo personagem de Chrono Trigger. Ele concorda em invadir Viper Manor com você se você chegar nele e perguntar, ele está envolvido em uma aposta com uma vidente, que se ele perder, ele terá que tirar sua mascara para ela. Um dos meus main chars no grupo, suas magias são devastadoras e é um bom companheiro, vale a pena tê-lo no grupo.



Luccia:

Luccia é uma cientista que se encontra em Viper Manor, e que  era uma chegada de Lucca em Chrono Trigger. Não uso ela muito em batalha, só que eu gosto do jeitão dela, e gosto desse parentesco com Lucca.

Orlha: 

Orlha é uma manjona das fight que trabalha num bar em Guldove, e é uma amiga muito intima de Doc, um doutor que vive deprimido e tem um jeitão de hippie fã de Beatles, ela sempre tá lá pra lhe dar apoio quando ele precisa. Engraçado como essas "barmaidens" manjam das porradas, é a mesma coisa com a Tifa do Final Fantasy VII e com a King em Art of Fightning, e eu adoro todas elas.

E esse é só um exemplo de elenco, tem tanto personagem nesse jogo, uns tão estranho que é difícil até de descrever direito.

Uma das coisas mais fascinantes de CC é que cada personagem fala de uma forma diferente, como eu disse ali em cima, a nossa querida Kid fala como uma pirata, Harle, a boba da corte fala com um sotaque louco misturando inglês com francês, um moleque que mora em Guldove chamado Korcha fala de um jeito bizarro como por exemplo: "Why you don'tCHA" ... mais ou menos assim, não só ele, como toda sua família. Cada um tem um modo de falar, e isso dá uma personalidade foda em cada um deles, fazendo eles se distanciarem um dos outros possuindo personalidades próprias, e isso com 45 personagens hein, é uma dedicação ferrada da equipe de tradução pro inglês.

Exemplos de falas únicas:









Já sabem onde eu quero chegar, vamos dizer que ao menos 90% dos personagens que possuem uma arte na caixinha de diálogos pode ter certeza que ele pode ser recrutado, e isso me lembra de falar do responsável pela arte e design de personagens do jogo, Nobuteru Yuki. É, sem Akira Toriyama por hoje.





Conhecido por animes como Escaflowne (Filme), Record of Lodoss Wars, a animação de Xenosaga e jogos como Secret of Mana 3 (Seiken Densetsu). Nobuteru tem uma arte muito bonita, e foi uma escolha perfeita pra juntar com o "feeling" que queriam passar com o Chrono Cross, e merece aplausos, vamos pessoal, aplausos pra este homem!

Artes (dele) não relacionadas a Chrono Cross:






Considerações Finais

Como eu disse que não queria "complexar" demais com o enredo nesse texto, apenas quero despertar o interesse de quem não jogou o jogo, e lembrar os que já conhecem Chrono Cross, de como esse jogo é lindo, e o porque que ele é muito especial pra mim. Esse jogo tem um valor sentimental sem igual a qualquer outro, e já deixei isso um pouco explicito no meu texto sobre as melhores músicas lá, mas eu queria um espaço para me aprofundar mais nisso tudo, e bem, aqui eu estou mostrando apenas uma parte do porque o meu amor incondicional por esse jogo, o próximo texto irá mostrar uma outra parte que amo dele.
(Deem Play ao menos nessa)



 
Mas um jogo que eu jogo desde criança até hoje, e ainda jogo como se fosse pela primeira vez, me encantando em seu mundo, em suas melodias, em seus personagens e em sua historia, Chrono Cross pode lá não ser um jogo muito surpreendente em alguns termos e para algumas pessoas, mas uma hora que você percebe tudo que o jogo quer lhe mostrar, uma hora você percebe a sua beleza, e é impossível não se encantar com ele, um jogo que pode ficar cravado no coração da pessoa até a morte, e ele provavelmente vai estar comigo até o fim dos meus dias.

É isso que Chrono Cross é pra mim, uma joia preciosa minha que não pode ser roubada por ninguém, nem mesmo por Sonhadores Radicais.

E antes de mais nada, não podia sair sem agradecer a pessoa responsável por criar esse jogo, sei que ele nunca vai ler, mas eu preciso agradecer mesmo assim, obrigado por Chrono Cross, Masato Kato, obrigado mesmo! Pois Chrono Cross de certa forma, mudou uma parte da minha vida, e me deu as melhores lembranças de épocas maravilhosas, e as melhores memórias de um jogo que eu poderia ter nessa vida.

Nota final:

Um Chrono Cross de 10

Com sistemas ingame bem criativos e fora do padrão de JRPGs, sistema de batalha incomum porém muito original e interessante, um mundo rico e cheio de conteúdo pra ser explorado com a mecânica das dimensões, enredo "heartaken" que pode ser um tanto quanto confuso pra alguns, mas não acho que vá mudar o encanto que ele joga em você, e claro, com uma trilha sonora de encantar até a sua avozinha e os vizinhos chatos.

Chrono Cross sem sombra de duvidas merece ser jogado, principalmente pra quem é fã de Trigger, sério, vocês devem dar uma chance a ele, não se prendam a nostalgia do Trigger, por favor, esse jogo tem o selo MIL de qualidade suprema!

E qualé, vocês sabem que essa de nota num é do feitio do Blog... não sabem? Não levem a sério isso aí

Eu encontro vocês no próximo texto sobre as viagens e teorias do enredo!


Até logo pessoal!

Postar um comentário

[facebook]

Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget