2014


Como fiz com Policenauts (para quem não, leu CLIQUE AQUI), vou trazer outros dois jogos do Kojima um pouco desconhecidos: Metal Gear e Metal Gear 2: Solid Snake. Claro, qualquer fã sabe que esses dois existiram antes de Metal Gear Solid de 1998 do Playstation, mas... QUEM JOGOU? Muitos nunca se deram ao trabalho de jogar esses dois jogos, que hoje são facílimos de jogar via HD Collection . 


Estou aqui para escrever sobre esse jogo que realmente AMO, e sem dúvida é um dos jogos mais subestimados já feitos, principalmente por sua má distribuição (algo que irei explicar mais pra frente). Sim, vou falar sobre... POLICENAUTS! A obra de Hideo Kojima exclusiva dos japoneses (sabe de nada, inocente).

 Então... LÁ VAMOS NÓS!

Logo dos Policenauts
Desde já deixarei algo claro: O JOGO É (oficialmente) EXCLUSIVO DO JAPÃO! Mas como sabemos, Hideo Kojima tem uma legião de fãs (comigo incluso) e alguns deles conseguiram traduzir o jogo para o inglês, mesmo isso demorando vários anos (algo que agradeço pelo resto da vida), mais de uma década após o lançamento original.

Policenauts é um jogo Point-and-Click lançado inicialmente em 29 de julho de 1994 para o computador japonês NEC PC-9821 e portado em 1995 para 3DO, em 1996 para Sega Saturn e Playstation e em 2008 para PSP e Playstation 3 via PSN. O jogo realmente foi planejado para o ocidente em uma versão para Sega Saturn, mas por uma série de fatores a versão foi cancelada. Desenvolvido e distribuído pela Konami, também foi escrito e dirigido pelo grande Hideo Kojima, que até então havia desenvolvido Metal Gear, Snatcher (sim, um dia eu ou o Vann faremos sobre ele) e Metal Gear 2: Solid Snake, logo ainda não possuía nem metade da fama atual.



Na era dos anciões, o mundo era sem forma, envolto por nevoa. Uma terra com penhascos cinzas, árvores gigantes e dragões eternos. Mas então, houve fogo. E com o fogo, veio a disparidade. Calor e frio, vida e morte, e é claro, luz e trevas. 

E então, das trevas, eles vieram , e encontraram as Almas dos Senhores no interior da chama. Nito, o Primeiro dos Mortos. A Bruxa de Izalith e suas filhas do caos. Gwyn, o Senhor da Luz Solar e seus fiéis cavaleiros. E o Furtivo Pigmeu, tão facilmente esquecido. Com a Força dos Lordes, eles desafiaram os dragões. 

Os poderosos raios de Gwyn despedaçaram suas escamas de pedra. As bruxas lançaram grandes tempestades de fogo. Nito desencadeou um miasma de morte e doenças . E Seath o Desprovido de Escamas traiu os seus semelhantes, e foi o fim dos dragões. Assim começou a Era do Fogo. 

Mas logo, as chamas irão desaparecer, e restarão apenas Trevas.
Mesmo agora, restam apenas brasas, e o homem não vê luz, mas apenas noites intermináveis.
E entre os vivos são vistos, os portadores do amaldiçoado Sinal das Trevas.


E esse é o prólogo de um dos jogos mais fascinantes já criados de todos os tempos. Enfim, foi muito tempo pesquisando o lore no jogo e em fóruns gringos, até então na época informação "Br" era quase nula, um quadro que mudou bastante nos últimos anos, apesar de certas traduções um pouco tortuosas. Anos depois, resolvi tentar montar os fatos sob minha ótica, mas claro, respeitando o enredo. E em português!

Hue.

Importante ressaltar que o jogo é extremamente interpretativo, sem uma linha temporal definida, algo que gera muitas teorias, o que não dá o direito de alguém afirmar com 100% de certeza quase nada que o jogo já não nos propõe. Aqui tentarei mostrar o enredo de forma cronológica, apesar de não existir nenhuma cronologia oficial, e explicando no processo.

logicamente terão SPOILERS!!!!

Parte 2: AQUI
Parte 3: AQUI

Os Lordes das Almas surgem



Um mundo disforme, cinzento e cheio de névoa. As Serpentes Primordiais viviam no abismo, ocultas, e os dragões eternos dominavam. Foi então que por uma casualidade do destino, a chama primordial “nasceu”. Causando disparidade, diferindo as leis que regiam o mundo e criando um "equilíbrio" das forças naturais nesse local tão singular. Em nenhum momento é retratado sobre o que os Lords eram exatamente antes de conseguirem "evoluir".

Provavelmente, uma população ignorada ou subjugada pelas forças da natureza imortais que eram os dragões. Eles podem ter sido “pigmeus”, uma espécie de raça ancestral dos humanos, que evoluíram ao patamar dos lords quando conseguiram o poder das almas diretamente da "chama" que nasceu.  Apesar de existir indícios de raças já difundidas nessa “sociedade” que vivia às sombras dos dragões.


Os Lords, agora munidos com poder, talvez fossem capazes de derrotar os dragões e assumir o domínio, então a guerra começou. Seath, extremamente inteligente e oportuno, se aproximou dos Lords expondo as fraquezas dos seus irmãos, com planos futuros em mente. Mas o que levaria um dragão a trair os seus irmãos e destroçar a soberania de sua própria raça?

Seath não possuía escamas, que são os requisitos básicos dos dragões eternos. Logo, ele pode ter sido excluído dos demais dragões por sua “inferioridade”, e ele fez isso por vingança. Ele também pode ter feito isso por pura inveja, ou ambos! 

Você escolhe como pensar. 

Esse é o esquema de Darksouls, pense, teorize, interprete. 

Só não exagere também...

Com as informações do dragão albino, os Lords venceram os dragões e Gwyn se tornou o governante da nova era. O mundo muda completamente, sociedades e reinos são fundados.

Anor Londo

A cidade suprema dos deuses localizada em Lordran foi estabelecida, e de lá Gwyn governou e diversificou a sociedade dos deuses pelo mundo. Seath foi recompensado com o título de Duke e ganhou espaço em Londo, como também ganhou um fragmento da Lord Soul de Gwyn, recompensa por sua grande ajuda na luta contra os dragões. Foram estabelecidos os 4 cavaleiros pessoais de Gwyn, os mais habilidosos e importantes, com títulos e responsabilidades. Os cavaleiros de prata, deuses, entre outros, uma organização social e hierárquica. O que acabou se difundindo pelo resto do mundo. 

          


Alquimia no mundo real e no mundo de FMA

Uma combinação de várias áreas do conhecimento humano, de física à medicina, de química à filosofia, entre outras, todas unidas em uma definição (que gosto muito por sinal) Ciência Mística.

E AGORA? DESLIGA! TA PEGANDO FOGO, BIXO!!!!!
Seus objetivos mais conhecidos e comuns eram de “evoluir” metais ordinários para que se transformassem em ouro, usando inúmeros métodos químicos/"místicos". Eles acreditavam que todos os metais evoluíam para o ouro, logo, tentaram criar algo que acelerasse esse processo. Eles também buscavam obter um elixir que os proporcionasse vida eterna, e logicamente não foram os únicos ao longo da existência humana que procuraram algo assim. Mas o que seria tão milagroso para transformar aquele prego amassado e sujo que você pisou por sua falta de atenção porque é um bobão em algo tão valioso como ouro que vale mais do que dinheiro, ou o que faria você viver o suficiente para ver as odisseias espaciais da humanidade, e talvez, o capitulo final de Berserk

A Pedra Filosofal! 

Sim, existem inúmeras obras literárias e lendas que a usam como elemento incrível e inigualável em seus enredos. O fato é, a alquimia do mundo de FMA tem a mesma premissa que a real, exceto pelos claros fatos fantasiosos, como por exemplo, a alquimia ter um poder bélico tremendo e consequentemente ser usada em guerras, o que gera complexidades filosóficas e psicológicas nos personagens, entre outros. Claro, fazendo três círculos no seu quintal e “BAM!”, você faz um canhão que atira galinhas de ferro pra abater aviões de guerra. E vocês sabem que não estou exagerando. 

Bem, você precisa ser muito estudado, talentoso e ora, porque estou divagando sobre elementos conceituais de ação de um universo fictício? 

Eu sou idiota, enfim...

YEAHHHHHHHH, GALINHAS!!!
Apesar de ser uma "arte" antepassada, hoje em dia ainda é comum você ver alquimia. Provavelmente tem alguém que pratica no seu bairro. Calma, certamente sem círculos ou transmutações em humanos... Digo, existem estabelecimentos que vendem produtos de limpeza e que utilizam alquimia (da sua forma química, não mística)  em suas fabricações e... isso foi só uma informação random.


 Olá leitores, estou de volta para dessa vez  falar de algo que ainda não temos no blog : música! E olhe que nosso humilde e desconhecido blog tem até que bastante variedade, falamos de games, mangás, animes, filmes...mas  ainda não tínhamos nada sobre música.

Mas antes quero deixar claro que não tô aqui com a prepotência de ser um ‘’conhecedor intelectual musical’’ou algo do tipo, pra ser sincero manjo muita pouca coisa de música no geral. Porém tenho o defeito/qualidade/característica  de me aprofundar ao máximo em tudo que eu vicio, pesquisando o maior possível (ou nem tanto) sobre aquilo. Foi assim com Dark Souls, foi assim com os Beatles, foi assim com uma penca de coisa... e o meu mais recente vicio tem sido a obra de um certo artista inglês que tem a fama de se reinventar toda hora: David Bowie, o camaleão do rock ( e o cara que o Flames chama de ‘’cacatua’’, algo que eu ainda não consigo entender mas dou risada mesmo assim).




Esse título ficou meio longo, mas fazer o quê? A ideia do texto vai ser essa mesmo de qualquer forma, pede pro Flames editar... mas indo ao artigo: Ultimamente estou realmente incomodado com essa fanbase de Star Wars, e não tô falando daqueles que assistem os filmes, as animações, jogam os jogos e leem as HQs numa boa e tratam tudo como um universo único, sem ficar aplicando balança toda vez que veem uma obra da série, aquele fã "saudável" (obviamente um fã saudável não veria tudo que eu listei aqui), mas sim daqueles que louvam a primeira trilogia de Star Wars como se fosse a coisa mais incrível e inovadora da cinematurgia, sendo que grandes clássicos como Matrix, Senhor dos Anéis, A Espera de um Milagre e tantos outros, não passam de episódios de Teletubbies perto dessa visão do céu que George Lucas criou.

Enfim, eu poderia generalizar essas pessoas, dizendo que elas são gordas de 130 quilos, que organizam eventos pra brigar de sabres-de-luz na praça (vale até um cosplayer de Darth Caedus após sua visita no Mc Donalds), que possuem uma boneca inflável em casa modelo "Leia Escrava" e que vivem em constante negociação com vendedores do Mercado Livre pra comprar um capacete de Stormtrooper que o próprio George Lucas autografou, pessoas mais ou menos assim:

Tá, ele não tem 130 quilos, mas com certeza a boneca inflável da Leia Escrava ele tem.



Bom, cá estou eu de volta nesse blog de games para falar de... mangá! Não, eu não estou indo contra a maré, porque na verdade esse blog não é apenas de games... é que como só falamos de games até agora, você pode ter imaginado que só seria sobre isso, então me senti na obrigação de explicar os fatos e... ah, vamos direto ao assunto, antes que vocês pensem que eu gosto de enrolar. O que não é verdade. 

Eu juro.
...

Enfim, o mangá que irei falar aqui é Berserk! Talvez mais famoso por sua violência e brutalidade, onde o protagonista, Gatts (ou Guts...) é um cara enorme com uma espada maior ainda e um canhão acoplado no braço, buscando vingança e matando todo tipo de monstro pelo caminho,  mas acredite, não é preciso ir muito longe para ver que a obra é muito mais do que isso. Por mais que os fãs de shounen queiram ignorar, Berserk não é uma história rasa com violência gratuita e plot preto no branco, do tipo herói da justiça em nome da amizade contra um vilão malvadão canastrão querendo conquistar o mundo e rindo  desse jeito : ‘’MUAHAHAHAHA!!!!’’


Vou ser xingado por isso, principalmente pelos meus parças  Flames e Vann, mas Nintendo DS é meu portátil preferido. Tá, o PSP é foda, tem Final Fantasy Crisis Core, tem Kingdom Hearts Birth by Sleep, tem Metal Gear Solid Peace Walker, tem....é, tem...uh...tem muitos jogos!

E principalmente, tem emuladores ! Jogar os dois Metroids e o Zelda Minish Cap do GBA no PSP foram experiencias inesquecíveis, principalmente porque jogava de madrugada, debaixo das cobertas, sem nínguem pra me encher o saco. Ah e não posso esquecer que o PSP também roda games de PS1, e foi nele que joguei o maravilhoso Xenogears, meu JRPG preferido de todos os tempos. E eu tenho moral pra falar, pois joguei muitos JRPGs na vida, muitos mesmo!

...


Muito bem, vou começar falando sobre um assunto que muito me agrada: Games! Essas obras incríveis que nos sugam com seus plots e ambientações imersivas esquematizadas por mentes brilhantes afim de nos surpreender a cada ato, e que são simplesmente ignoradas e ridicularizadas por pessoas certas de que games são feitos apenas para crianças ou pessoas com nada na cabeça... O que é triste, mas convenhamos, uma arte nova esta sujeita a pensamentos preconceituosos daqueles que não conhecem completamente, correto? Tenhamos paciência, ou viraremos pessoas QUE QUEREM QUE AS OUTRAS VÃO PRA P... O que não queremos...

Certo?
...

Correto?



Logicamente não são todos os jogos que possuem essa densidade complexa de personagens e enredo, muitos jogos são feitos com outros focos de entretenimento, o que é aceitável e válido, afinal, geralmente eles servem para nos divertir. Cof, Cof, Call of Duty, Cof, Cof!


Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget