Março 2017


"Orc" é um termo conhecido para denominar uma raça de criaturas humanoides, agressivas e monstruosas em inúmeras obras de fantasia pelo mundo.  Vocês provavelmente estão familiarizados com esse nome, afinal, o injetaram na cultura pop nas últimas décadas graças à "SINGELA" contribuição do Sr. J. R. R. Tolkien, com sua fantástica série de livros da qual sou um irremediável fanboy. Porém, antes de nos aprofundarmos no tema desse artigo, acho que precisamos tentar entender como os "Orcs" surgiram. Ou melhor, como o termo "Orc" realmente surgiu.

A palavra "Orc" já aparece no "Inglês Antigo" e parece suceder a palavra "Orcus", do Latim, que designava-se ao Deus do Submundo na mitologia romana.

"Nas crenças populares romanas, Orcus é o espírito da morte, que dificilmente se distingue dos Infernos, morada dos mortos. Nas pinturas funerárias dos túmulos etruscas sob a forma de um gigante cabeludo e barbudo. Pouco a pouco esse espirito foi se aproximando dos deuses helenizados e Orcus passou a ser apenas um dos nomes de Plutão ou de Dis Pater'. Mas Orcus permaneceu vivo na língua familiar, enquanto as duas outras divindades pertenciam à mitologia erudita." 

Ainda falando da antiguidade, podemos observar que a palavra "Orcnéas" é usada para designar criaturas amaldiçoadas e monstruosas num poema épico anglo-saxão, datado em meados do ano MIL depois de cristo. Trata-se de Beowulf, um pilar de influencias para a literatura medieval e uma grande inspiração para Tolkien também, claro.




"E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças
 e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, 
e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia."

 "E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, 
dizendo: 

Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?"

                                                                                                Apocalipse capítulo 13, versículos 1 e 4.




Monster é uma série com muitas mensagens. Mais importante, uma série com muitos questionamentos. Brilhante em explorar o abismo da mente humana enquanto expõe tramoias políticas conduzidas sob ideais tortuosos nazistas ou planos ainda mais cruéis orquestrados por um vilão comparado ao "Anticristo", numa Alemanha delicada se reestruturando após a Queda do Muro de Berlim. 

Apesar dos temas densos, essa não é uma série pessimista, pois sua narrativa nos conduz, com esperança, à um caminho ingrime para entender os labirintos de uma mente humana que caiu completamente em escuridão.

E o que seria essa "escuridão"?

O quanto podemos adentrar nela até que não tenhamos mais volta?

O mangá foi publicado em 1994 até 2001 sob a autoria de um senhor "nada conhecido", dono de um traço limpo e de uma narrativa pesada, mas muito envolvente, Naoki Urawasa. O anime carrega o mesmo nome, e foi adaptado pela Madhouse, sendo bem fiel a obra original e seus 18 volumes, (e tendo uma trilha memorável, apesar da animação estar bem longe do que a maioria de vocês provavelmente conhecem sobre os trabalhos desse estúdio).

Também autor de obras como Pluto ou 20th Century Boys

Monster, apesar de ser muito elogiado, não é bem... "popular", o que pra muitos pode ser uma injustiça. Acredito que é compreensível, afinal, ele é bastante "denso". Diálogos unidos a uma trama investigativa, uma narrativa pesada, às vezes não linear, e com pontos de vista de muitos personagens em conflito. Resumindo: MUITO TEXTO, o que com certeza afasta uma boa dose de públicos. Sem falar do seu final que é, certamente, o maior momento de ambiguidade que podemos absorver da série.

Flames

PedroTreck

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget